Em tata aeroplano:

Top 50 da CENA – E se o primeiro lugar desta semana fosse uma música chamada “Quarentena”? Mais: Tagore e Coruja BC1 voam alto nas paradas

1 - cenatopo19

* Uma música chamada “Quarentena” lidera o Top 50 na quarentena. Este dia ia chegar. O que mais podemos dizer?

Semana foi beeeeem movimentada. Muitos lançamentos de uma vez só e tentamos incluir tudo de bom a gente ouviu. Até ficou coisa de fora, inclusive umas inéditas que só nós ouvimos, porque só vão ser lançadas nos próximos dias e resolvemos não ser ansiosos e “forçar a entrada” já neste Top 50. Sim, jornalista de música tem lá seus privilégios, que merecemos, às vezes. Mas, como manda a quarentena, um dia de cada vez.

E, como manda a “Quarentena” do rapper Rincon Sapiência, é primeiro lugar.

Bem, outro problema, começa a ficar difícil tirar músicas da lista. Tem umas que queremos deixar o ano todo ali como se nada tivesse acontecido.

Bom, já sabem o resto, né? Playlist firmeza no Spotify e Deezer e os nossos espaços de comunicação todos abertos para suas sugestões. O que perdemos nesta semana? Avisa aí, por favor.

2 - rincon_feed_top50

1 – Rincon Sapiência – Quarentena (Estreia)
Rinco Sapiência é dos velhos adeptos do home-office. Não faria sentido a quarentena não ter um som dele. E ele fez justamente a música que leva o nome “Quarentena”. Bem ao seu modo, afiado, lotado de referências ao presente. Ouça várias vezes até captar tudo que ele joga aqui. É o mundo que em vivemos milimetricamente musicado. Ou rappeado. Para ser estudada nos livros de história. Perfeita.
2 – Tagore – Drama (Estreia)
A parceria da Tagore com o Boogarins deu jogo. A canção pega de cara de tão boa. Tem uma clima meio jovem guarda encontra a psicodelia. Carregada no som, mas a mensagem soa clara como música pop das mais limpinhas.
3 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (Estreia)
Coruja prevê um EP e um álbum neste ano de 2020. O EP sai nesta quarta-feira e um dos destaque é a romântica “Baby Girl”, que tem um beat daqueles, mas também tem um riff delicioso de guitarra. Romântica no clima, mas um tanto quanto reflexiva sobre aprender amar, entender o amor.
4 – CESRV – “Cry Baby” (1)
“Cry Baby” encontra um toque brasileiro em um sample que reconhecemos de uma música estrangeira que rolava nas rádios nos anos 80, tipo “flashback de FM”. É que o tal sample veio de um disco da banda carioca standard Cry Babies, um grupo que daria origem a Banda Black Rio e que regravou sons gringos em versões instrumentais em um disco de 1969. A música faz caminhos inusitados, não é? Quão rico é isso? Quão necessário são esses caminhos do CESRV?
5 – Douglas Germano – “Valhacouto” (2)
Aldir Blanc é das grandes perdas do ano. Relembramos o compositor versátil e afiado nesta letra incrível para um nome da CENA, que é Douglas Germano. “Valhacouto” é uma crônica sobre a violência nazista que acaba resvalando em cenas da atualidade. Passado e presente juntos em um alerta sobre o perigo que nos ronda. Prova de que Aldir seguia atento, forte e necessário.
6 – Ava Rocha e Los Toscos – “Lloraré Llorarás” (3)
A parceria da Ava Rocha com a banda colombiana é daquelas combinações que ficam tão boas e naturais que deixam a gente desejando por horas aquele som. São só duas músicas lançadas, mas queremos mais e mais disso.
7 – Clarice Falcão – “Só + 6” (4)
Clarice lançou um belo vídeo para uma música que está lá no seu disco de 2019. Que visual esse vídeo tem. Encantou a gente e voltamos ao disco e à faixa. Uma belezinha de sua fase eletrônica.
8 – YMA – “No Aquário” (5)
Que bom ouvir um novo single da YMA. A letra parece prever os tempos de pandemia, sendo uma letra feita antes da atual situação. A voz, o andamento, a letra (do Lau, do Lau e Eu), a guitarrinha à lá Chris Isaac. Tudo em harmonia perfeita. E a música nem é de disco (achamos). Pertence a uma coletânea de site.
9 – Database – “Mandrake (Nesta onda)”
Quase 5 anos sem lançar nada, aos poucos o Database volta à rotina com a dupla reestabelecida de novo em São Paulo. “A ‘Mandrake’ surgiu como uma brincadeira após uma viagem para Portugal”, conta a banda, que foi atrás de fazer um som “das antigas” que estão chamando de “nu disco rap”, cantada em português. Galera da eletrônica sabe a importância, a música está entre as 100 mais vendidas do Beatport. Só vai.
10 – Mariana Degani – “Horda Mulheril”
Primeiro single do novo álbum, o segundo da carreira de Mariana Degan. Aqui ela fala sobre a conexão e a solidariedade entre as mulheres que vêm sendo construídas nos últimos anos. Nas palavras da cantora, o ambiente escuro em que se via no passado agora se apresenta como um ambiente de acolhimento, força e poder.
11 – CESRV – “Onda” (6)
12 – Sara Não Tem Nome – “Agora” (7)
13 – Taco de Golfe – “Nó Sem Ponto II” (8)
14 – Vir GO – “Lunes” (9)
15 – Sessa – “Sereia Sentimental” (10)
16 – Clarice Falcão feat. Linn Da Quebrada (11)
17 – Duda Brack – “Pedalada” (12)
18 – YMA – “Evaporar – Ao Vivo” (13)
19 – Carne Doce – “Saudade” (14)
20 – Francisco – “Traumas” (15)
21 – Aldo – “Restless Animal” (16)
22 – Obinrin Trio – “Medo” (17)
23 – Ozorio Trio – “Get Up” (18)
24 – Cícero – “Às Luzes” (19)
25 – Boogarins – “Inocência” (21)
26 – Djonga – “Procuro Alguém (22)
27 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (23)
28 – ÀIYÉ – “Isadora” (24)
29 – Tuyo e Terno Rei – “Eu Te Avisei” (25)
30 – Troá! – “Bicho” (26)
31 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (27)
32 – Apeles – “Deságua” (28)
33 – Papisa – “Homem Mulher” (29)
34 – Valciãn Calixto – “3R1K0N4”
35 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (32)
36 – Marietta – “Analógica” (34)
37 – Manaié – “Tira a Mão” (35)
38 – Rohmanelli – “Toneaí” (36)
39 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (41)
40 – Jhony MC – F.A.B. (42)
41 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (43)
42 – Vovô Bebê – “Êxodo” (44)
43 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (45)
44 – Edgar – “Carro de Boy” (46)
45 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (47)
46 – Victorino – “Roque” (48)
47 – Valuá – “Veneno” (49)
48 – Kiko Dinucci – “Veneno” (50)
49 – Leo Fazio – “Se Pá”
50 – Tatá Aeroplano – “Alucinações”

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o rapper paulistano Rincon Sapiência.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Vá ao teatro e convide os indies. Centro da Terra, teatro do Sumaré, arma às segundas uma programação underground. Mesmo

>>

cena

* É mesmo underground. Fundado como teatro quando os Strokes lançaram o “Is This It”, em 2001, o subterraneo Teatro do Centro da Terra, perto do metrô Sumaré, em São Paulo, hoje um espaço cultural que acolhe 100 pessoas, vai começar em março e por todo 2017 uma programação especial de música independente, sempre com curadoria do brother Alexandre Matias, do Trabalho Sujo.

O lugar, que tem esse nome por estar a 12 metros abaixo da superfície terrestre, começa sua programação especial em torno do músico Tatá Aeroplano, de tantas bandas e projetos em 15 anos de militância independente em São Paulo. Quatro shows de Aeroplano, sempre diferentes um do outro, vão estar em destaque nas segundas de março no Centro da Terra.

* no dia 6 de março, a primeira apresentação da série traz em destaque a dupla Frito Sampler, do cantor e compositor com Julia Valiengo.

* no dia 13 é a vez de Tatá levar ao palco um show inédito ao lado de Bárbara Eugênia, cujo repertório revelará o disco que os dois lançarão em conjunto em meados de 2017.

* dia 20, a apresentação é do projeto Zeroum, Tatá mais o eletrônico Paulo Beto, do Anvil FX

* dia 27, encerrando seu rolê, Tatá faz o show do disco “Step Psicodélico”, ao lado dos músicos Dustan Gallas (Cidadão Instigado), Junior Boca (Otto), Bruno Buarque (Karina Buhr), Dj Marco (Criolo) e Julia Valiengo (Trupe Chá de Boldo).

Captura de Tela 2017-02-20 às 7.06.26 PM

>>