Em taylor hawkins:

Tributo a Chris Cornell em Los Angeles comove o rock. Veja muitos vídeos

>>

* Aconteceu ontem em Los Angeles, durou mais de quatro horas, no Brasil já era de manhã quando acabou e teve a maior quantidade de gente conhecida da música o evento tributo ao saudoso roqueiro grunge Chris Cornell, ex-Soundgarden e Audioslave entre outras bandas significantes, que se matou aos 52 anos em um quarto de hotel em Detroit, em maio do ano passado. Chamou-se I Am the Highway – A Tribute to Chris Cornell.

O grande show, assistido pela Popload ao vivo via Periscope, alternou entre mostrar os singles esperados e coisas menos óbvias da carreira do Chris Cornell. De cara, as melhores partes: Dave Grohl cantando “Show Me How to Live”, do Audioslave”, Ryan Adams cantando a maravilhosa “Fell on Black Days”, do Soundgarden, e Miley Cyrus (!!!!) cantando “Say Hello to Heaven”, do histórico Temple of the Dog (banda-embrião da famosa cena de Seattle do final dos 80, começo dos 90, aquela em que o Nirvana apareceu em 1991 e BOOOOOM!!. No ano passado Seattle deu a Cornell uma estátua de bronze no imponente Seattle Center, parque de artes que tem a “agulha”).

Captura de Tela 2019-01-17 às 8.27.38 PM

Miguel cantando “Reach Down”, com Temple of the Dog, foi destaque da noite, também. Os Foo Fighters, acima, mandaram três músicas bem lado Z do Soundgarden, o que foi bem interessante. O “Queen” Josh Homme cantou “Rusty Cage” na versão Johnny Cash, interpolando um trecho de “Hand of Doom”, do Black Sabbath, no meio. Metallica tocou duas covers (ruins) de Soundgarden, e inexplicavelmente, tocou duas músicas próprias (why?).

No último segmento da noite, foi o esperado momento do Soundgarden tocar com convidados nos vocais. Taylor Momsen (The Pretty Reckless) e o relativamente desconhecido Marcus Durant mandaram bem em suas respectivas músicas. Taylor Hawkins (Foo Fighters) foi excepcional nas absurdas “I Awake” e “The Day I Tried to Live” – que também contaram com Buzz Osborne (Melvins). Para fechar a grande noite em memória de Cornell, uma bela versão de “Black Hole Sun” com a cantora folk Brandi Carlile, e Peter Frampton na guitarra.

O principal evento deste ano que mal começou e já considero pacas. Entre muuuuitas coisas, teve…

* “The Day I Tried to Live (com Taylor Hawkins)

**

* “Say hello to Heaven” (com Miley Cyrus)

**

“All Night Thing” (com Fiona Apple)

**

* “Show Me How to Live” (com Dave Grohl)

**

* “Fell on Black Days” (com Ryan Adams)

**

* Todas do Foo Fighters

**

* “Hunger Strike” (Brandi Carlile e Chris Stapleton)

**

* “Hunted Down” (meio Alice In Chains, meio Pearl Jam, e Josh Freese, ex-NIN, moendo na batera)

**

* “Redemption Song” (Ziggy Marley e Toni Cornell, filha do Chris Cornell)

**

* “Black Hole Sun” (com Brandi Carlile, e Peter Frampton)

>>

Boletim Foo Fighters: a volta aos palcos, o guitarrista legal e uma cover de Rush

>>

190914_foo

E aí, saudades do Foo Fighters? A banda do onipresente Dave Grohl está com algumas novidades, após looooooooooongo hiato de 2 anos (!), o que para o grupo é uma eternidade. Vamos por partes.

Primeiro, a banda americana anunciou seu primeiro show em 2017. Será no festival NOS Alive, em Portugal, dia 7 de julho. Junto com o anúncio, o FF botou em seu site oficial a foto de um passaporte, indicando que viajará pelo mundo ano que vem, provavelmente com disco novo e tudo.

Outra novidade do grupo, na linha fofura, partiu do guitarrista Chris Shiflett. Ao saber que um fã da banda chamado Sinclair Belle teve sua guitarra (autografada pelo guitarrista do FF) roubada, o próprio Chris se encarregou de fazer uma surpresa ao cara e mandou uma novinha em folha com uma mensagem e tudo.

A última notícia do boletim Foo Fighters é ligada ao Rush, uma das bandas veneradas por Dave Grohl e Taylor Hawkins. Os dois emprestaram seus talentos como músicos para uma cover de “2112 Overture”, que está em um novo box comemorativo aos 40 anos do disco “2112”. Entre as canções bônus, está a instrumental feita pela dupla do FF.

Vale lembrar que o grupo sempre faz cover de “Tom Sawyer” em seus shows, participou da cerimônia de indicação do Rush ao Hall da Fama em 2013 e, ainda, a mãe do Dave e do Geddy Lee são tipo melhores amigas. Haha.

A versão de “2112 Overture”, feita por Grohl e Hawkins, pode ser ouvida abaixo, cortesia do Strumbo Show, da CBC Radio 2 americana.

>>

É o fim? Uma pausa? Grohl solo? O que o Foo Fighters vai anunciar na noite de hoje?

>>

210714_foofighters

Olhos do rock atentos para o maior boato das últimas horas. De acordo com o Page Six, espaço de boataria do jornal New York Post, o Foo Fighters pode acabar. A razão seria um possível disco solo de Dave Grohl, fato que estaria desagradando outro integrantes do grupo, especialmente o baterista Taylor Hawkins.

O papo surgiu no fim da tarde de ontem e fez a banda se pronunciar oficialmente. Na verdade, o FF avisou em seu Twitter que fará um pronunciamento hoje.

De acordo com o jornal norte-americano, a apresentação de Dave Grohl solo no Oscar domingo passando, quando tocou “Blackbird” dos Beatles, foi o começo de uma nova era.

A princípio, a assessoria do grupo tem desmentido o jornal. Ainda assim, a expectativa é grande para, pelo menos, um hiato do grupo por tempo indeterminado.

Isso se não for algum tipo de trollagem de Dave e seus amigos… Vamos aguardar.

Belo e arruinado, Bob Mould quebra tudo na TV

280814_bobmould

O inconfundível Bob Mould, espécie de entidade santa do rock alternativo norte-americano, tipo anos 80/90 com seus Husker Du e Sugar, lançou há pouco tempo seu 11º álbum solo, o ótimo “Beauty & Ruin”.

Com o registro, ele anda fazendo shows em clubinhos, atendendo compromissos de imprensa e aparecendo em rádios e TV. A mais recente parada foi no programa de Jimmy Kimmel. Por lá, ele mandou sua voz emocionante e empunhou sua guitarra rápida e barulhenta para tocar as faixas “The War” e “Hey Mr. Grey”.

Na bateria, foi acompanhado pelo grande Taylor Hawkins, do Foo Fighters, apenas.

>>