Em the beatles:

Comemorando 50 anos, “Sgt. Pepper’s” ganha versão turbinada e será relançado no fim de maio

>>

Beatles promovendo o disco em 1967. Foto de John Pratt/Keystone/Getty Images

Dia 26 de maio, será lançada a edição comemorativa de 50 anos do clássico “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, talvez obra definitiva da carreira dos Beatles.

O pacote inclui versões alternativas de cada uma das faixas originais, além de diálogos registrados em estúdio, 15 gravações extras das sessions e um livro com 144 páginas.

Paul McCartney, que vem ao Brasil no segundo semestre para quatro shows, dedicará uma parte das apresentações para comemorar o aniversário, é o que dizem. O mesmo Macca, em comunicado sobre o relançamento do disco, disse que é algo louco de se pensar que uma obra feita por quatro caras, um ótimo produtor e uma forte equipe de engenheiros de som continua sendo uma arte tão representativa.

Um das versões alternativas remasterizadas que estarão no box, da faixa título, foi divulgada pelo jornal inglês Guardian, e é algo nada menos que sensacional.

>>

Insetos fofinhos, Regina Spektor cantando Beatles e muito mais. Ouça a trilha da série “Beat Bugs”

>>

071116_beatbugs_2r

Uma das séries infantis de grande sucesso no momento na Netflix é “Beat Bugs”, produção que basicamente conta histórias de um grupo formado por simpáticos insetos com base em canções dos Beatles. O legal disso tudo é que a trilha é toda reinterpretada por artistas contemporâneos, às vezes ao lado de crianças.

Foi lançada uma compilação com as melhores canções das duas primeiras temporadas e dela há bons recortes. Tipo a Regina Spektor fazendo “And Your Bird Can Sing”, o James Bay cantando “Hey Bulldog”, o The Shins tocando “The Word” e o Chris Cornell botando sua voz marcante em “Drive My Car”.

A trilha é ideia do australiano Josh Wakely, um dos mentores da série, e os arranjos foram capitaneados pelo Daniel Johns, do Silverchair, lembra?

>>

Apenas: Rolling Stones toca Beatles e choca o mundo

>>

101016_beatles_stones

Consideradas por muitos as bandas mais importantes da história da música, Beatles e Rolling Stones sempre tiveram uma rivalidade alimentada em bastidores. Muitos acreditam que rolava mesmo uma disputa. Outros, que tudo foi fruto de invenções de empresários e jornalistas para bombar os dois grupos, que explodiram mundialmente na década de 60.

O que era explorado especialmente era a diferença de características das duas bandas. Noves fora o talento e boa música, os Beatles eram considerados bons mocinhos, enquanto os Stones eram classificados como uma turma da regressão. A rivalidade alimentada fez muita gente de fã-clube odiar a outra banda e isso foi perdurando ao longo das décadas, hoje provavelmente em menor escala. Ainda que as bandas nunca levassem ao pé da letra a tal da rivalidade, sempre ficou um climinha. It’s only Rock ‘N Roll but I like it.

Cortando para 2016, mais precisamente o dia 8 de outubro. Na abertura do Desert Trip, o Oldchella, os Stones surpreenderam o público ao tocarem o hit – algo farofa, perdão – “Come Together”, faixa essencial da discografia dos Beatles. Foi a primeira vez que eles tocaram a canção em um palco.

Pegando pelas teorias que nunca acabam, óbvio, teve quem reclamasse. Alguns disseram que a versão foi um tanto desleixada. Mick Jagger mesmo, ao apresentar a canção, disse que poderia soar estranho para muitos, mas que as pessoas provavelmente iriam lembrar da banda e da música.

Bom ou não, o registro foi feito. E ficou a expectativa que Paul McCartney retribuísse a gentileza no dia seguinte. Não rolou. Talvez no próximo final de semana. Vai que…

>>

Há 48 anos, os Beatles faziam seu último show oficial

010914_beatles

Está rodando a internet há algum tempo um registro histórico do último show “oficial” dos Beatles, realizado em 29 de agosto de 1966 em San Francisco. À época, a banda já havia decidido que não excursionaria mais pelo mundo e, por isso, atendendo a um pedido de Paul McCartney, o assessor do grupo Tony Barrow gravou a apresentação, que durou cerca de 33 minutos e teve 11 canções.

Como o show foi gravado em fita cassete (cada lado com 30 minutos) com um microfone ambiente, Tony perdeu a parte final de “Long Tall Sally”, faixa que encerrou o show. Além disso, Lennon e Macca levaram câmeras fotográficas para registrar fotos de bastidores e do público, estimado em 25 mil pessoas.

010914_beatles2

A última aparição dos Beatles juntos tocando foi no famoso show no telhado da Apple, em 1969. No entanto, o show no estádio Candlestick Park de San Francisco é considerado o último com ingressos à venda e tudo mais. Há duas semanas, Paul McCartney voltou ao mesmo estádio para um show de sua atual turnê.

A gravação feita por Tony Barrow completou 48 anos neste fim de semana e pode ser ouvida abaixo.

* Tracklist
01. 00:00 “Rock and Roll Music”
02. 01:39 “She’s a Woman”
03. 04:52 “If I Needed Someone”
04. 07:52 “Day Tripper”
05. 10:58 “Baby’s In Black”
06. 13:43 “I Feel Fine”
07. 16:24 “Yesterday”
08. 19:06 “I Wanna Be Your Man”
09. 21:45 “Nowhere Man”
10. 24:33 “Paperback Writer”
11. 27:19 “Long Tall Sally” (incompleta)

>>

A filha fofura do Dave Grohl

>>

100214_dave4

Rolou na noite de ontem uma cerimônia especial com oferecimento do Grammy aos Beatles, pelos 50 anos da estreia do quarteto mais importante da história da música em palcos norte-americanos.

O evento, que contou com as presenças e apresentação conjunta de Paul McCartney e Ringo Starr, teve diversos convidados famosos, tipo Pharrell Williams, Alicia Keys, Eurythmics, Gary Clark Jr. e outros. Muitos deles subiram ao palco e mandaram suas versões de sucessos da banda inglesa. Aos poucos, durante a semana, a gente vai destacando por aqui esse papo “Beatles 50”.

Um dos momentos que mais chamaram a atenção na cerimônia beatle foi quando Dave Grohl reeditou a faixa “Hey Bulldog” ao lado do cantor e compositor inglês Jeff Lynne, ex-Electric Light Orchestra.

Grohl falou da importância dos Beatles em sua formação e contou que o amor de sua família pelos Beatles atravessa gerações, já que ele é super fã, sua mãe também e sua filha também.

Aí deram um close na filha dele, a Harper, de 5 aninhos, toda fofa e orgulhosa vendo o pai prestar homenagem aos Beatles. Grandes momentos do pop. Haha.

100214_davegrohl2


* Dave tem uma outra filha, a Violet, de 8 anos.

100214_dave1

>>