Em The Black Album:

Saiba o que presta no disco de covers do “Black Album” do Metallica

>>

* Na nossa modeeesta opinião, né?

“The Metallica Blacklist”, álbum que reúne 53 versões de diversos artistas para canções do “Black Album” do Metallica – cujo original acabou de completar 30 anos e ganhou uma versão de luxo nesta sexta-feira -, tem uma missão nobre. Seu lucro vai todo para instituições de caridade – uma administrada pelo próprio Metallica e outras tantas indicadas por cada artista que participa do álbum.

Sobre o disco em si, musicalmente, o resultado não nos parece tão satisfatório assim, além de “curioso” e “variado”. Por mais que faltem critérios para avaliar um disco de covers, porque a pegada crítica aqui é outra, pensa o grande número de covers das mesmas músicas que estão pelas quatro horas de disco.

Das 12 canções que estão no “Black Album”, mais de dez artistas escolheram fazer uma versão da mesma “Nothing Else Matters. Enquanto isso, “Of Wolf and Man”, que é um relativo sucesso, só ganhou uma releitura. Também pesa que alguns artistas só tentem reproduzir a versão original ou optem por lugares-comum em releituras.

A gente deu uma rasante pelo disco e separou aqui as faixas que parecem mais interessantes numa primeira escutada, poupando um pouco de seu tempo. Vai direto nas nossas indicações que a experiência fica um pouco melhor. Não porque a gente que escolheu o caminho. É porque uma boa triagem ajuda, mesmo.

** “My Friend of Misery” – Kamasi Washington
Falar em inventividade é falar do Kamasi, que amplica bem os horizontes na sua releitura. A bateria deste som é de deixar o Lars com um pouquinho de inveja.

** “The God That Failed” – Idles
A gente gosta do Idles, então nesta escolha perdoamos um pouquinho qualquer problema, é compreensivo. Mas no fim é uma boa versão mesmo e, porque os ingleses pelo menos tentaram escolher uma menos óbvia, já ganham uns pontos.

** “Sad but True” – St. Vincent
Além de dar um toque todo seu no clima da música, sempre é bom escutar uma de nossas guitarristas prediletas solando. So-lan-do. Ela reconstrói aqui o solo clássico do Kirk de um jeito tããão foda quanto o original. Que os fãs die-hard do Metallica não nos leve a mal.

** “Hollier than Thou” – OFF!
Sumidos, a banda hardcore californiana OFF!, do Keith Morris, reaparece dando energia punk real para este som. É das horas mais bate-cabeça do álbum.

** “Through the Never” – Tomi Owó
Ao pegar uma música menos conhecida do disco, Tomi conseguiu transformar a música quase em 100% sua. Alguém que não curte tanto Metallica nunca adivinharia que essa é deles.

** “The Unforgiven” – Flatbush Zombies e Dj Scratch
A versão talvez mais bem-humorada do disco. Criando um beat em cima da original, a banda de hip hop de Nova York, encorpada pelo DJ Scratch, toca o riff da música e um sample ri desse fato. Coisas da sabedoria do rap.

>>

A melhor do “Blacklist” do Metallica? Duo inglês Royal Blood refaz o clássico “Sad but True”

>>

* Por enquanto, pintou nossa eleita. A dupla indie-garagem britânica Royal Blood apresentou sua contribuição para a festa discográfica do Metallica. E é bem boa.

O supergrupo metal americano lança em setembro uma superedição comemorativa de seu superdisco, o chamado “Black Album”, o homônimo de 1991, que completa 30 anos neste mês. Colado a uma luxuosa edição remasterizada do álbum, vem, junto ou separado, um disco de covers chamado “The Metallica Blacklist”, com 53 artistas diferentes, de country, hip hop e eletrônico, de Idles a Kamasi Washington.

A versão do Royal Blood para a clááááássica “Sad but True” tem umas nuances legais. No começo da cover, poderoso, parece até que vai entrar o Metallica mesmo, mas a música vai se transformando quase numa canção do Royal Blood mesmo. O duo vai moldando o hit do Metallica, desacelerando, garageando ela, meio que tomando para si.

De quebra, vem com um vídeo de animacão sinistro legal.

>>

Metallica e o aniversário do “The Black Album”. Banda resgata versão crua de “The Unforgiven”, balada que quase enlouqueceu o guitarrista Kirk Hammett

>>

* O supergrupo americano Metallica segue nos agitos de seu “Black Album”, o disco homônimo de 1991 que completa 30 anos agora em agosto e vai ganhar uma edição monstra comemorativa em setembro. A ação de chamamento da vez é uma desencavada do áudio da baladaça “The Unforgiven”, versão que vai estar com muitos outras como bônus da edição especial que chega em 10/9.

Esse mix cru de “The Unforgiven” mostra uma das tentativas ainda não finalizadas de fazer da música a poderosa balada metal que virou. Ela vai ganhar cinco covers no “The Metallica Blacklist”, o disco que virá junto com a edição remasterizada do disco preto e terá 53 artistas e bandas convidadas para, usando um termo atual, reimaginar o histórico e trintão quinto disco do grupo do ensolarado lado ensolarado da costa oeste americana. Moses Sumney, Cage the Elephant e Ha*Ash estão entre os convocados para tocar “The Unforgiven” nesta festinha discográfica de aniversário.

* “The Unforgiven” foi o segundo single lançado do “Metallica”, o “The Black Album”, um dos discos com mais hits explosivos da história. Saiu com edição própria dois meses depois que o disco cheio foi lançado.

Reza a lenda que a música, ou o famoso solo dela, quase levou Kirk Hammett à loucura, por causa da pegada que o produtor Bob Rock queria dar a esse solo, e o guitarrista líder do Metallica não conseguia fazer. Foi tipo tortura psicológica mesmo, de Bob Rock: “Ele precisa comer, dormir e respirar esse solo até dar certo”, disse Bob a Lars Ulrich, o baterista da banda, que ali funcionava como um co-produtor do álbum. “Não é o estilo do Kirk”, tentou ponderar o Lars. “Não interessa”, mandou o Bob. Após várias tentativas frustradas, finalmente sai a versão final, um dos solos mais memoráveis do rock.

Tem vídeo disso, aliás.

***

* Na home da Popload, uma foto do Metallica em 1991, imagem de divulgação do disco “Metallica”, o quinto da banda.

>>

Alegria, mas virtual. Metallica posta vídeo de “Sad but True” de 1991. O “novo” disco preto está chegando

>>

* Amplamente agitando o (re)lançamento de seu poderoso disco homônimo, que é mais famoso pelo apelido “The Black Album”, que completa 20 anos no mês que vem, mas vai sair em edição comemorativa em setembro, a banda Metallica postou um vídeo de uma performance da clássica “Sad but True”, ao vivo em Copenhagen, na Dinamarca, em 1991.

O show, em estádio, data de 10 de agosto daquele ano, portanto dois dias antes de o lendário quinto disco do grupo da Califórnia ser lançado. A apresentação dinamarquesa é considerada a primeira a valer da turnê do “Metallica”, o álbum.

No caso dessa “Sad but True”, que você vê aqui embaixo, percebe-se todo o gás da banda em tocar uma das músicas que viriam a ser clássicas, com o público mal a conhecendo. “Sad but True” só sairia como quinto single do álbum preto em 1993, embora nessa ocasião, em 1993, já fosse adorada por fãs em shows (não no caso do concerto na Dinamarca).

Uma música “menor” do álbum, analisando friamente, que serve só para dar uma ideia da quantidade de hits que o disco “Metallica” carregava.

Na apresentação, todo mundo “novinho”, cabeludaço, sangue metal nos olhos, bonito de se ver.

Este vídeo ao vivo vai estar com o show todo no DVD “Live at Gentofte Stadion”, o estádio dinamarquês, que vai estar na caixa deluxe da versão comemorativa do “The Black Album”. Vai sair também, até separadamente, um disco de covers chamado “The Metallica Blacklist”, com 53 artistas diferentes, de country, hip hop e eletrônico, de Idles a J Balvin, de Mac DeMarco a Kamasi Washington.

Vamos ao Metallica tocando “Sad but True” dois dias antes de o disco “Metallica” ser lançado.

>>

53 artistas recriam o “Black Album”, do Metallica, nos 30 anos do disco. Vai de country a Elton John e Weezer. Versão remasterizada do disco original também chega em setembro

>>

* Miley Cyrus, Elton John, White Reaper, Weezer, Corey Taylor, St Vincent, Ghost, Dave Gaha (Depeche Mode), Royal Blood, Rina Sawayama estão entre os 53 artistas envolvidos na colossal recriação do icónico disco de 1991 da superbanda americana Metallica, de mesmo nome, mas mundialmente conhecido como “Black Album”.

Essa supercompilação mais a edição remasterizada do disco original, o quinto da carreira da grupo, vão sair dia 10 de setembro para comemorar os 30 anos do álbum preto. E já podem ser pré-comprados em várias de suas opções de extra nuns boxsets beeeeeem legais.

“One album, 12 songs, 53 artists, unlimited possibilities” é o nome da campanha para essa pacoteira que marcou a guinada para o estrelato do Metallica, deixando de ser “apenas” a maior banda de thrash metal para um alcance absurdo ainda no som heavy, naquela era de uma certa popularização do metal junto com a galera do Nirvana e tudo mais.

TMB-COVER

BLACK-ALBUM-COVER

“Metallica”, o disco, é o mais vendido disco do grupo até hoje, chegou a ser número 1 nas paradas de dez países na semana de agosto em que saiu e traz hits absurdos como “Enter Sandman”, “The Unforgiven”, “Nothing Else Matters”, “Wherever I May Roam”, “Sad but True” e “Don’t Tread on Me”.

O disco de versões, chamado apropriadamente de “The Blacklist Album”, todo gravado em vídeo também, tem os hinos do Metallica traduzidos por artistas da country music, hip hop, música latina, pop, eletrônico e até rock, veja você. Sua renda, porque pode ser comprado separado, vai para caridade.

Acompanhe os trailers do lançamento mais bombástico do ano, provavelmente.

>>