Em The Horrors:

Eis que por esta você não esperava. The Horrors reaparece de repente e lança a música do ano, para nos afundar na “zona de desconforto”

>>

* Por esta ninguém esperava. Ou esperava um pouquiiiiiinho, já que a banda começou a soltar nestes últimos dias, nas redes sociais, algo que agora percebemos ser sobre nova música, novo disco.

Mas, se a semana já andava esquisita, com o anúncio do fim do Daft Punk e tudo, eis que temos um retorno para realmente ficar “chocados”. O da banda inglesa The Horrors, armada indie-psicodélica rumo ao soturno liderada pelo gigantesco Faris Badwan.

O Horrors não dava as caras na música desde 2017, quando lançaram o álbum “V”, que embora obteve algumas críticas boas praticamente não aconteceu. Ou não aconteceu como as coisas aconteciam antes para o Horrors, tipo 2007, 2009. Então digamos que o Horrors não “empolgava”, digamos, desde 2014, quando lançaram o algo bom “Luminous”, o que significa dizer que o disco tinha algumas boas ideias e levava a banda para um caminho mais “trabalhado” (pensa aqui que estamos falando do Horrors).

Mas aí temos que Faris e os Horrors estão de volta com uma música nova de… metal industrial. Tipo horror mesmo, mas o gênero, não que ela seja ruim. Muito pelo contrário. É perfeita naquilo que se compromente. E essa música nova dá uma sensação estranha porque parece… Marilyn Manson. Aí ferra tudo!!

lout

O que é mais estranho ainda: nós aqui na Popload AMAMOS a música. O que é assustador é não ter percebido que na altura deste 2021 assustador e indefinido a gente ainda precisa de músicas assim?

Cadê a fofurice delicada da Arlo Parks, a zoeirinha tão dolorida quanto bem-humorada do Will Joseph Cook????

Esta impressionante “Lout”, este é o nome, faz parte de um EP de três músicas que a banda vai lançar no dia 12 de março. Duas delas, “Lout” e “Org”, saem num vinil em sete polegadas. A terceira canção, só para os streamings, é “Whiplash”.

Em tempo: “lout”, na tradução, significa “pessoa estranha” num sentido violento, idiota.

“É sobre a relação entre escolher seu destino e aproveitar suas chances”, diz Faris sobre a música nova. “É compulsivamente tomar os riscos e desafiar a sorte.”

“Como banda, particularmente ao vivo, nós sempre tivemos um lado agressivo lá atrás. E, assim que começamos a fazer essas novas músicas, ficou claro pra gente que parece que voltamos ao mesmo sentimento de antes”, definiu.

Estamos preparados, hoje, para o Horrors? É como se a volta deles tirasse a gente da zona de conforto, quando exatamente não estamos em zona de conforto nenhuma.

É meio isso. O Horrors voltou para nos desconfortar. Mais ainda.

>>

The Horrors libera geral e mostra canções que só os japoneses tinham ouvido oficialmente até agora

>>

060515HORRORS

Grupo esquisito que a gente acha normal gostar, o Horrors liberou duas canções que estavam “escondidas” nas versões japonesas do mais recente disco deles, “V”, lançado ano passado.

As faixas são “Fire Escape” e “Water Drop”, e agora elas estão disponíveis em novas versões físicas do álbum e também nas plataformas digitas, tipo Spotify.

O Horrors continua na estrada divulgando seu último álbum e vai participar de diversos festivais pelo mundo nos próximos meses, começando dia 28 de abril no Control, na Cidade do México, e terminando só em setembro, em Minffordd, Inglaterra, no Festival Number 6.

>>

Explorando novos horizontes musicais, The Horrors mostra seu quinto disco diferentão

>>

050515_horrors

Saiu no dia de hoje mais uma obra do sempre bom The Horrors, uma das bandas mais legal que apareceram na cena alternativa neste novo século, que botou na praça seu quinto álbum, “V”, o primeiro deles em três anos, sucessor de “Luminous”.

Banda que um dia estrelou o Popload Gig, o Horrors retorna ao auê com um disco ousado, é o que estão vendendo. O próprio Faris, em entrevista recente, disse que a banda resolveu se arriscar mais no novo projeto, já que “a vida não é muito divertida sem risco”. O vocalista também comentou que a “antítese de ser criativo é quando você sabe o que você vai fazer de cada vez”.

Quem compartilha o mesmo pensamento é o tecladista Tom Cowan. O músico comentou que o fato do Horrors trabalhar com o produtor Paul Epworth (U2, Bloc Party e Adele) fez a sonoridade da banda tomar caminhos nunca antes explorados, e que este se trata do disco mais expansivo e progressivo deles na carreira, porque quando cada um se reconhece como artista, sair da zona de conforto se torna algo natural.

“V” já está à venda em lojas físicas e virtuais e também disponível em plataformas de streaming como o Spotify.

Climão: lá vem o Horrors com outro single novo e bom do álbum que sai semana que vem

>>

17abr_horrors

Uma das bandas mais deliciosas que apareceram no indie na última década, a inglesa The Horrors, liderada pelo distinto Faris Badwan, vai lançar na semana que vem seu novo disco, ‘V”, primeiro deles em três anos, o quinto da carreira, como sugere o título.

Grupo que já pisou no palco do Popload Gig, o Horrors retorna à cena com um disco ousado, é o papo. O próprio Faris, em entrevista recente, disse que a banda resolveu se arriscar mais no novo projeto, já que “a vida não é muito divertida sem risco”. O vocalista também comentou que a “antítese de ser criativo é quando você sabe o que você vai fazer de cada vez”.

O single novo é “Weighed Down”, o som mais viajado que eles soltaram até agora para este novo projeto. Antes, apareceram “Machine”, que poderia muito bem ser uma música do Nine Inch Nails, e “Something To Remember Me By”, som com vibe mais eletrônica e arranjo despojado. Essa nova “Weighed Down” dura mais de seis minutos e foi uma das primeiras escritas para a obra, informa o Horrors.

“V” chega ao mercado oficialmente no dia 22 de setembro.

>>

Canta, Faris! The Horrors mostra mais um single do disco novo que será lançado em setembro

>>

050515_horrors

A bela banda britânica The Horrors divulgou a segunda música de seu novo disco, “V”, com lançamento previsto para 22 de setembro. A turma do Faris Badwan botou para tocar nas rádios e na internet o novo single “Something To Remember Me By”, sucessor do tão bom quanto “Machine”, lançado há dois meses.

Grupo que já passou pelo Popload Gig, o Horrors não lança um disco de estúdio há três anos, quando nos ofereceu o maduro “Luminous”. Se “Machine” tinha uma pegada mais industrial, lembrando até um pouco o som denso do Nine Inch Nails, “Something To Remember Me By” chega com pegada mais eletrônica e com arranjo despojado.

Sobre o álbum, Faris disse em entrevista recente que a banda resolveu se arriscar mais no novo projeto, já que “a vida não é muito divertida sem risco”. O vocalista também comentou que a “antítese de ser criativo é quando você sabe o que você vai fazer de cada vez”. Todo teórico, o Faris.

>>