Em the kid laroi:

Top 10 Gringo – Little Simz no topo, de novo e de novo. O Squid cola nela. E o “casal” Bobby Gillespie e Jehnny Beth chega bonito no alto. Mais: Iceage, Tony Allen, Modest Mouse e a playlist mais legal da semana

>>

* Segundo primeiro lugar da rapper/cantora inglesa Little Simz neste ano. Até agora ela emplacou no nosso topo seus dois singles de seu novo álbum, que será lançado em setembro. Inevitável. Em uma semana que deixamos talvez alguns grandes nomes de fora, rolara muitas surpresas – banda jovens, bandas que nem são tão jovens mas são descobertas recentes, veterano que se reinventa e até um astro pop que talvez vocês torçam o nariz agora, mas se um dia ficar mais legal vamos levantar a plaquinha do “Nós avisamos”.

littlesimzquadrado

1 – Little Simz – “Woman”
Vamos combinar agora. É bem provável que todas as músicas novas da Little Simz alcancem o primeiro lugar deste nosso cantinho de destaque das preferidas da semana. Em seu segundo single do vindouro disco “Sometimes I Might Be Introvert”, a britânica chega em “Woman”, que não só consegue ser melhor que o single anterior, “Introvert”, como é uma homenagem forte às mulheres de todos os cantos e de vários tempos. Não é por acaso que a gente chamou ela lá em 2019 para tocar em um Popload Festival. Quando é o próximo mesmo?

2 – Squid – “G.S.K”
Segue firme a renovação pós-punk britânica pós-Brexit. Este quinteto inglês é uma mistura absurda de The Fall e Talking Heads com a ousadia conceitual de um Pink Floyd, digamos. No som doidinho, recados sobre o estado das coisas. Nesta música em específico, por exemplo, a letra nem entrega tanto por que seu personagem está tão isolado ou perdido. Mas rola um momento “uau” quando vemos que é baseada em um livro do J. G. Ballard, chamado “Concrete Jungle”, onde um cara fica preso naquele espaço do meio entre duas estradas vivendo de restos de comidas deixados pelos motoristas, que não resgatam ele. Pegou a metáfora? Pois é.

3 – Bobby Gillespie e Jehnny Beth – “Chase It Down”
A parceria entre um Primal Scream e uma Savages parece boa demais para ser verdade. E não só é verdade como rendeu já uma música com ares de clássica. Quando o álbum completo sair, pela gravadora do senhor Jack White, teremos um disco conceitual sobre um casal em ruínas. Já dá para esperar um belo trabalho.

4 – Iceage – “Gold City”
A gente já falou de pós-punk na segunda posição e voltamos a ele mais uma vez. No caso, os dinamarqueses do Iceage, em uma pegada menos amalucada que o Squid, na segurança também de chegarem ao quinto álbum. Como de para notar, os caras espicharam seu som para tudo quanto é lado, abraçando uma variedade de sons enorme. “Gold City”, por exemplo, tem gaita, violões, caberia em um disco do REM talvez? Potencial de furar a bolha e se tornarem uma banda mais popular.

5 – Tony Allen ft. Sampa The Great – “Stumbling Down”
Em um disco com material que o mago do afrobeat deixou depois de nos deixar, para que vozes mais jovens completassem sua missão, “There Is No End” mostra quão ampla era a conversa de Tony. Aqui com o flow criativo da Sampa The Great ele parece um baterista nativo do hip hop. Gênio.

6 – Modest Mouse – “We Are Between”
É engraçado o funcionamento do Modest Mouse. Eles trabalham com uma calma que parece que de tempos em tempos toda geração tem a chance de descobrir ou redescobrir a banda. Sejam os fãs do rock alternativo que pegaram seu surgimento nos anos 90, quem aprendeu a gostar deles nos anos 00 com o hit “Float On” ou quem chegou agora e embarca nesta retomada da banda, que lançou só um disco na década passada toda, pensa. Pelo primeiro single de agora, eles não perderam a mão, não.

7 – Feng Suave – “Tomb for Rockets”
O duo holandês Feng Suave, de Amsterdam, pode ser jogado em uma categoria de psicodelia soul ou um soul psicodélico, dependendo para qual vertente sonora essa dupla de zero álbuns, alguns EPs decide pender. A pandemia ajudou a frear um pouco a ascensão deles, que entre sons legais são muito bem relacionados, de Tame Impala a Iggy Pop, que tocou música deles na 6Music, da BBC, rasgando elogios. Imagine o Iggy Pop tocando uma música sua numa das rádios mais legais do mundo.

8 – HEALTH & Nine Inch Nails – “Isn’t Everyone”
Health, um trio de noise de Los Angeles, se une aqui talvez com sua maior referência, o grande Nine Inch Nails, de Trent Reznor. “Isn’t Everyone” é o primeiro single de “Disco4: Part II”, uma continuidade do álbum que o Health lançou no ano passado todo formado por parceria com outros artistas. Pensa em algo pesado.

9 – Black Midi – “John L”
A gente não deu destaque por aqui quando este single saiu, mas estamos tão de cara com a session que o Black Midi fez na KEXP que vale destacar essa sonzeira. A gente discorda demais dessa tese que circula por aí de que banda está ficando mais careta e melodiosa. Dá até para enxergar um Parece mesmo cada vez mais doidos e experimentais.

10 – The Kid Laroi – “Without You”
Ao invés da critica fácil, vamos apostar que se este garoto australiano sair da sombra do Justin Bieber pode se tornar um hitmaker bem interessante. A voz de um Liam Gallagher adolescente nos anima. Seu primeiro hit já está por aqui, “Without You”, que já tem versão em dueto especial com Miley Cyrus, alcançou um nível de sucesso que pelo menos garante a fama de one-hit wonder caso naaaaaada dê certo. Mas parece que vai dar.

*****

*****

* A imagem que ilustra este post é da inglesa Little Simz.
* Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Popnotas – O FBI e o “assassinato” de Kurt Cobain. Miley Cyrus e o menino Kid Laroi no “Saturday Night Live”. Weezer tocando metal ao vivo. O hub de shows do Pearl Jam. E o Passenger para acalmar tudo

>>

– A cantora pop roqueira Miley Cyrus (foto na home) foi a grande atração musical do agitado “Saturday Night Live”, um dos mais importantes programas da TV americana há muitos anos, principalmente nos belos serviços prestados ao som que a gente gosta. O programa foi agitado porque o apresentador da semana foi o doido bilionário Alon Musk. Até sua mulher, a outra doidinha Grimes, apareceu num dos quadros de humor deste “SNL”. Miley Cyrus cantou não duas, mas três canções. Primeiro uma versão de pegada diferente para a “Plastic Hearts”, single de seu mais recente disco. de mesmo nome, lançado no final do ano passado. Depois ela fez uma homenagem às mães cantando “Light of a Clear Blue Morning”, de sua avó, a famosíssima Dolly Parton. Mas o barulho mesmo da presença de Cyrus no “Saturday Night Live” foi que ela levou o menino The Kid Laroi, australiano sensação de 17 anos, que a gente falou um monte sobre aqui. Ela cantou a versão dueto que fizeram do megahit dele, “Without You”, lançada há 10 dias. Foi a primeira vez do rapaz no “SNL”. Foi assim:

– Nirvana voltou tanto ao assunto ultimamente que parece que estamos naquele revolucionário começo dos anos 90. A última é que o FBI revelou os arquivos da “pasta Kurt Cobain”, que investigou se o suicídio do roqueiro, que fez aniversário de 27 anos no último dia 5 de abril, não se tratava na verdade de assassinato, uma teoria conspiratória bastante falada à época. O x-file de Cobain apresentado tem apenas dez páginas, nada muito profundo nas investigações de que foi um crime. Cita até que foram levados a investigar por causa da quantidade de fãs que duvidavam que o final de Cobain era “apenas” a de um cara atormentado que quis tirar a própria vida. O dossiê mencionava em suas páginas até que essa conspiração gerou inclusive um filme com cara de documentário, o “Kurt & Courtney”, do diretor inglês Nick Broomfield, em 1998. O filme, Broomfield, que escreveu, produziu e narrou o doc, suscitava que Courtney Love, a viúva roqueira, poderia estar envolvida nessa “real morte” de Cobain. “Kurt & Courtney” iria estrear no famoso festival de Sundance, mas Love impediu a exibição, ameaçando o evento de processo. Maaaais Nirvana: Mechas do cabelo de Cobain, cortado em 1989 e guardadas por uma amiga durante viagem da tour do primeiro álbum, ‘Bleach’, estão a leilão de memorabilias de rock, aqui. Os lances para comprar os cachos do líder do Nirvana, entre outras coisas, se encerram nesta semana, dia 15.

– Bem, vocês sabem que o Weezer lançou sexta-feira passada seu segundo disco no ano, este de HEAVY METAL, chamado “Van Weezer”, uma homenagem às influências metaleiras de seus integrantes no passado, é o que dizem. Hoje à noite eles mostram uma canção desse disco “pesado” no programa do Jimmy Fallon. Amanhã a gente replica a performance aqui. Na sexta mesmo, dia do lançamento do disco, eles tocaram músicas do “Van Weezer” ao vivo em um show especial para as emissoras alternativa e de rock do conglomerado de rádios americano IHeartMedia. Foi um show de dez músicas que reuniu as músicas “metais”, digamos, com alguns de seus hits. E gerou o vídeo de 50 minutos, abaixo. Contém entrevista com o Rivers Cuomo.

– O grupo Pearl Jam, já que o assunto aqui é Seattle, lançou neste domingo um hub na internet para conectar banda e fãs a um acervo de 186 shows, botando de cara mais de 5.400 faixas ao vivo à disposição da galera, seja áudio e vídeo, no Youtube, na Apple Music, Spotify, Deezer e outros canais de streaming. Chama “Pearl Jam Deep”. O objetivo, segundo a nota oficial, é “presentear os fãs que acompanham a banda há mais de 20 anos e, ao mesmo tempo, dar acesso a uma nova geração de admiradores do Pearl Jam na era do streaming. Está tudo aqui. Além da imersão em diversos shows da banda de Eddie Vedder, vai ser possível ter acesso a playlists com a curadoria dos próprios seguidores do Pearl Jam e ainda construir o seu “show dos sonhos” do Pearl Jam, montando o setlist.

– O músico inglês indie-folk Passenger, projeto do engajado Mike Rosenburg, lançou um vídeo de performance acústica para seu último single, a faixa “What You’re Waiting for”. A música está em seu já famoso álbum “Songs For The Drunk and Broken Hearted”, seu décimo-segundo disco, talvez o primeiro disco “grande” de 2021, lançado em 8 de janeiro. O álbum, que ficou bem nas paradas de vendagens durante o mês de lançamento, tem toda sua venda física revertida a ongs que ajudam a restaurar paisagens naturais prejudicadas por desmatamento. Cada cópia do disco adquirida na loja oficial do artista na internet gera uma árvore nova plantada. O vídeo acústico foi gravado para a Radio 2, da BBC. No mesmo cenário, o Passenger aproveitou para gravar também uma performance para “Sword from the Stone”, principal single do disco, a que abre o “Songs For The Drunk and Broken Hearted” e escrita em conjunto com o amigo Ed Sheeran. Essa “Sword from the Stone” foi enviada para passar sexta-feira no “The Late Show with Stephen Colbert”, na TV americana. Tudo aqui embaixo.

>>