Em the killers:

Vale tudo no Glastonbury. Ou quase. The Killers celebra Smiths com Johnny Marr e transforma a fazenda em um clubinho ao lado do… Pet Shop Boys

>>

010719_killers_slider

Headliner do Glastonbury no último sábado, a banda norte-americana The Killers aproveitou sua apresentação para fazer uma média com o público britânico.

Brandon Flowers e sua trupe contaram com uma pequena ajuda dos amigos para incrementar ainda mais o show, considerado um dos melhores da edição.

010719_killers_22

Primeiro, Johnny Fucking Marr mostrou que o Smiths está vivo ao botar sua histórica guitarra para tocar os riffs inesquecíveis de “This Charming Man”.

Já o Pet Shop Boys transformou a fazenda de Michael Eavis em um clubinho gigante (!) ao relembrar com o Killers o hit pop “Always On My Mind”.

Os registros são da BBC.

>>

The Killers recebe Jimmy Kimmel em Las Vegas e canta até cover do James Taylor

>>

030419_thekillers2

O apresentador Jimmy Kimmel levou seu programa de TV para a cidade de Las Vegas. E como já estava na casa de Brandon Flowers e seus amigos, o apresentador recebeu o The Killers para uma apresentação especial.

Na noite de segunda-feira, foram ao as as performances da já clássica “All These Things That I’ve Done” e “Land of the Free”, o single com pegada política lançada pelo grupo norte-americano no início deste ano.

Já no episódio de ontem, Kimmel exibiu a cover do Killers para “Carolina on My Mind”, canção lançada por James Taylor no ano de 1968, em seu disco de estreia homônimo.

Os registros podem ser vistos abaixo.

>>

The Killers mete o dedo nas feridas dos Estados Unidos e solta vídeo punk dirigido por Spike Lee

>>

150917_killers2

Toda a desgraceira promovida por Donald Trump inspirou Mr. Brandon Flowers, que transformou seu descontentamento em uma música nova do Killers, a primeira desde o disco “Wonderful Wonderful”, lançado em 2017.

“Land Of The Free” é uma crítica direta às decisões políticas que os Estados Unidos vêm tomando, como, por exemplo, a agora exigência da construção de um muro na fronteira com o México. E, também, os constantes crimes envolvendo tiroteios em diversas cidades do país.

“Tudo começou na minha mente quando aconteceu o tiroteio de Sandy Hook e, como pai, isso me afetou e aí tudo começou a somar. Eventos como os de Eric Garner, Trayvon Martin, coisas como o que está acontecendo com o muro no México. Essas coisas não pareciam estar em harmonia com os valores que eu acredito que foram a fundação do meu país.

Comecei a música algumas vezes, mas a deixava de lado e pensava ‘não sou o cara para fazer isso. Parece inadequado, outra pessoa irá compor essa música’ e aí aconteceram os tiroteios de Las Vegas, Orlando, Parkland. As coisas continuavam acontecendo e eu só pensei: ‘preciso colocar isso pra fora'”, disse Brandon em comunicado.

A canção ganhou um vídeo dirigido pelo gênio Spike Lee, divulgado nesta terça-feira, contendo registros de famílias e grupos de pessoas tentando cruzar a fronteira onde Trump quer botar o muro.

A produção da faixa é de Jacknife Lee, que já trabalhou com nomes como U2 e Weezer.

>>

Smashing Pumpkins faz show especial e conta com uma pequena ajuda dos amigos, incluindo Peter Hook, Courtney Love, gente do Killers, Deftones, AFI…

>>

030818_pumpkins2

O Smashing Pumpkins quase todo original está na estrada após um bom tempo para celebrar seus 30 anos de carreira. Batizada como “Shiny And Oh So Bright”, a turnê fez uma parada em New Jersey na noite de ontem e contou com uma extensa fila de convidados especiais, incluindo Courtney Love, Chino Moreno (Deftones) e Peter Hook. O filho do legendário baixista britânico, Jack, está tocando com o Pumpkins.

O líder do Deftones foi o primeiro a subir no palco e cantou com Billy Corgan as faixas “Bodies” e “Snail”, que não eram tocadas desde 2008 e 2000, respectivamente.

Dave Keuning e Mark Stoermer, do Killers, participaram em “Cherub Rock” e “1979”.

Mark McGrath, do Sugar Ray, cantou o hit da banda, “Fly”, com o Pumpkins. E participou ainda de uma cover de “Breaking the Law”, do Judas Priest.

Courtney Love, parceria de Corgan em diversas ocasiões (!), cantou um par de músicas do seu Hole, “Celebrity Skin” e “Malibu”, ambas escritas pela dupla. Ela ainda participou na reedição ao vivo de “Bullet With Butterfly Wings”.

Já Peter Hook tocou seu baixo em “Age of Consent” (New Order) e “Transmission” (Joy Division).

Na parte final da apresentação, Hook, Courtney e ainda Davey Havok, do AFI, fizeram uma jam com o Pumpkins em uma releitura de “Love Will Tear Us Apart”, da lendária banda de Manchester.

Captou?

https://youtu.be/a0xmJltuTsw

https://www.youtube.com/watch?v=gMTlhowCuBo

https://www.youtube.com/watch?v=0Kxi5pu6z1k

https://www.youtube.com/watch?v=0pTnCSo8akg

https://www.youtube.com/watch?v=bOpGIYSStwc

>>

Opa. Apareceu mais um show do Killers em festivais europeus, desta vez no espanhol Benicassim

>>

Foto: Lisa Wright

Foto: Lisa Wright

Segue a saga do Killers pelos festivais mundo afora. No momento, a banda norte-americana anda invadindo os eventos do lindo verão europeu e um dos destinos foi o sempre procurado Benicassim, na Espanha, no último final de semana.

O festival espanhol também é considerado um dos festivais mais “ingleses” fora da Inglaterra, dado o grande número de turistas britânicos que vão para a cidade para aproveitar, além da música boa, as praias.

O Killers está na estrada divulgando seu disco “Wonderful Wonderful”, o primeiro em muitos anos, e mostrado no Brasil no Lollapalooza deste 2018. A gravação não é lá das melhores, mas tem aí 80 minutos bons para se aproveitar nesta segunda-feira.

Tem até a participação do Van McCann, do Catfish and The Bottlemen, em “Ready My Mind”.

>>