Em the weeknd:

SEMILOAD – Hook, drop, toquinho. Como a música vem se reinventando na Era TikTok

1 - semiload-arte2

* Nosso “The Long Read” de hoje, articulado por nossa parceira Dora Guerra, autora da newsletter mais necessária da música nova que eu conheço, a Semibreve, vai falar exatamente dessas transformações que essa música nova tem passado para se adaptar aos tempos atuais. Você sabe do que estamos falando: stream, Tik Tok, consumo digital desenfreado. Está preparado para o fim do refrão? Você curte os “hooks” das canções do Weeknd?
Não? Então a SEMILOAD vai te preparar.

weeknd

Música é como qualquer outra arte em tempos digitais. Não só não tem fórmula perfeita, como muda o tempo todo – principalmente quando precisa se vender. De uns tempos pra cá, a mudança vem sendo notável.

Eu mesma comentei ano passado sobre dois pontos já muito claros na música atual: o primeiro é a diminuição do tempo das canções (pop, especialmente). A partir do momento em que os artistas ganham por número de streams – ou seja, quantas vezes a música foi ouvida –, torna-se necessário encontrar formas de fazer você ouvir novamente. Se a música é longa, você não vai ficar ouvindo em loop; é matemática simples. O resultado é aquelas faixas minúsculas, com 2 minutos ou menos, que frequentemente acabam antes que você consiga digeri-las.

O outro ponto, que eu trouxe com músicas como “Blinding Lights”, do Weeknd (foto acima), é a inserção de um refrão (ou algo que lembra o refrão) logo no início da faixa – pensando que um stream, para o Spotify, conta só se você ouviu pelo menos 30 segundos da música. Isso fica claro em váaaarias músicas, a exemplo da viral “Girl like Me”, da Shakira/Black Eyed Peas. Logo a gente, com atenção tão difusa, precisa ser convencida a ouvir algo interessante antes de decidir tacar um “skip”. Melhor já entregar o ouro, certo?

(E bote ouro nisso).

Pois é. Eis que surgiu um ótimo artigo (como sempre, porque esses caras são incríveis) do Nate Sloan e Charlie Harding – a dupla Switched On Pop – para o “New York Times”. Nele, os músicos-musicólogos analisam as novas tendências com um olhar ainda mais atualizado. Otimistas, celebram o fim de uma certa estrutura tradicional, de verso-pré refrão-refrão.

Nisso, os autores já me desbancam (ou sustentaram meu ponto?) afirmando que o refrão, hoje, nem sempre precisa existir. O argumento deles é o seguinte: o que existe agora – e é um termo inclusive utilizado por compositores – é o “hook” no lugar do “chorus”; em bom português, tem que existir um gancho, que não necessariamente é um refrão de alguns versos cantado várias vezes ao longo da música.

Esse gancho pode ser, inclusive, o famoso “drop” – aqui eles listam “We Found Love” como um exemplo de hit da última década, já pautado em uma nova lógica. E, de fato, o ponto alto da faixa não é o momento em que Rihanna (foto na home) canta o verso que dá nome à música, mas quando a canção cai no clímax eletrônico. Sabe do que eu tô falando?

Pois eu cubro a aposta de Nate & Charlie e ainda acrescento: essa espécie de drop pode ser simplesmente uma viradinha, que é suficiente para tiktokers e afins. O drop é muito comum em músicas derivadas do EDM (e foi extremamente comum nos anos 2010) e ainda reaparece em canções populares, feito nas músicas do Major Lazer.

Mas às vezes não precisa ser tudo isso. O que a música precisa ter é um ponto em que ela se transforma – ou até pausa: só o “Stop, wait a minute”, de Uptown Funk, já é hit no TikTok. É nesse momento que os virais são criados: você dá tudo que as pessoas querem, fornecendo um clímax rápido para uma transição audiovisual. E, mesmo que você não esteja preocupado em viralizar, é um aspecto interessantíssimo de qualquer forma: nada te destaca melhor de uma multidão de músicas previsíveis que uma surpresa bem construída.

Mas outro gancho fortíssimo – e que a galera sacou aqui no Brasil talvez com muito mais antecedência e sucesso que os americanos – é aquela melodia pegajosa. Não necessariamente a do refrão: uma mais marcante, um gancho real, como no que muita gente por aí chama sabiamente de “toquinho” (lê-se tóquinho; não confundir com o artista Toquinho).

Nada supera a força de uma melodia infalível, que conversa com os vocais, mas não é a mesma que a deles. Esse é um elemento que o funk e o piseiro já incorporaram há muito tempo, recuperando a “flauta envolvente que mexe com a mente” de Bach para tornar uma música inesquecível. Um salve pro Mc Fióti.

Aliás, não estamos inventando a roda aqui – esse é um recurso clássico. Mas ele vem aparecendo com frequência, especialmente no início da faixa. Voltando ao exemplo de “Blinding Lights”: o que te conquista é aquela melodia com tratamento anos 80, muito antes de ouvir o Weeknd cantar.

E, se você analisar bem a história do “toquinho” e do drop, vai encontrar um personagem essencial para a nova música: o produtor. Não é à toa que DJs e produtores passaram a se tornar estrelas também – quando as canções eram naquele formatinho clássico de banda, era difícil precisar a contribuição do produtor; você valorizava mais os compositores, que muitas vezes eram (ou fingiam ser) a própria banda. Hoje, Calvin Harris e Rihanna dividem créditos porque sabemos que não foi ela quem deu o toque principal da música. E, de repente, nomes feito Mark Ronson, Diplo, Timbaland, Pharrell não importam só para quem tá dentro da indústria: são beeem conhecidos pela gente, também.

Nada disso é de agora. O produtores não ficaram importantes: sempre foram; esses elementos todos sempre existiram também em alguma medida. Mas a combinação desses fatores – tamanho da música, estrutura mais solta, melodia marcante logo no início – é um combo extremamente atual. ou ainda: “Light My Fire”, dos Doors, seria uma música a cara dos anos 2020 se, para início de conversa, tivesse um terço da duração (e um clipe nonsense com feat. da Doja Cat).

Afinal, vale fazer tudo isso e seguir fórmula para ganhar dinheiro? Para os românticos, respeitar fórmulas pode soar como um enterro da criatividade; o que é verdade, em partes. Mas, para mim, o curioso é que não se trata somente de uma estratégia de mercado: são truques psicológicos, que buscam entender não só como driblar o algoritmo, mas como fazer algo que soe atraente para o público de agora (e isso já é beeeem diferente do que soava atraente há uma década).

É, afinal, dar aos fãs o que eles querem ouvir de novo, de novo e de novo.

>>

SEMILOAD – Oba, domingo tem Grammy!!!!! Mas, antes, uma espinafradinha básica nesse prêmio zoado

1 - semiload-arte2

* Sempre odiei os xexelentos e arranjados prêmios Grammy, mas nunca quis gongar (muito) por aqui, para não me chamarem de mal-humorado e tals. Indie velha-guarda que não compreende o tamanho do pop dessa “distinta premiação” da indústria bajulando a própria indústria, atrasado e segregador e tudo mais. Mas aí a Dorinha Guerra, 22, achou de dar uma gongadinha rápida no evento que acontece domingo, em sua excelente newsletter semanal Semibreve, que eu corri para chamá-la no Whatsapp para desenvolver mais o tema: “Traz essa VERDADE para a Popload”. E aqui estamos.

Não sou que estou falando, ok? É a Dora!

thewee

***

Como em todos os anos desde a primeira edição – mais de 60 anos atrás –, lá vem um domingo de Grammy. E, em como todos os últimos anos desde que descobrimos que a Academia adora ser machista e racista, você pode estar se perguntando: em 2021, vale a pena ver ou se importar com os Grammys?

Muita gente já decidiu que não. O Kendrick Lamar é uma dessas pessoas; Fiona Apple não quer ver os Grammys nem re-pintados de ouro (mesmo indicada!); o novo queridinho do clube anti-Grammy – e injustiçado do ano –, The Weeknd, concorda.

E esse foi realmente o vacilo da vez: quando “After Hours” – um dos melhores e mais relevantes álbuns do último ano – não ganha nem uma menção, algo de muito errado aconteceu. E olha que a Recording Academy tem categorias reservadas para os artistas negros, já que não gosta de conceder a eles, parece, as categorias principais; eles geralmente dão prêmios de Rap, Urban ou R&B para os negros e deixam por isso mesmo. Neste ano, não – até onde o Grammy sabe, The Weeknd simplesmente não existe. E até onde o The Weeknd sabe, o Grammy também faleceu.

Mas não é só Abel que anda falando mal por aí. Li que Zayn Malik sugeriu que “há corrupção nos bastidores da Academia”. Agradeço a sugestão, mas acho que é quase da mesma linha que sugerir que há algo de errado na mansão de 6 milhões do Flávio Bolsonaro: é óbvio. E eu vou além e ressalto que, assim como Flávio, a Academia sobra em babaquice – vide 2018, quando Neil Portnow (então presidente da Recording Academy) afirmou que a falta de mulheres no prêmio era porque “elas tinham que melhorar”. Essa aí é um clássico.

Captura de Tela 2021-03-12 às 11.27.03 AM

Mas, se existe algum motivo para ainda prestar atenção nos Grammys, talvez seja exatamente este: concorde você ou não com a definição de rock do prêmio, fato é que desta vez a categoria incluiu só mulheres – e os homens têm que melhorar. Por Phoebe Bridgers, Fiona, HAIM, Brittany Howard e Big Thief, o Grammy conseguiu alguma parcela mínima de acerto. E mais: conseguiu que um gênero estagnado como o rock parecesse interessante e “fresh” novamente. Um beijo para as responsáveis.

Outro motivo é o de sempre, mas que infelizmente ainda não vacilou: apesar de o prêmio geralmente ser longo e um pouco maçante, as performances sempre rendem alguma coisa. Foi o Grammy que combinou St. Vincent e Dua Lipa, Daft Punk e Stevie Wonder. Neste ano – em que essas apresentações ainda são o mais próximo que temos de um show –, tem BTS ocupando um espaço gigantesco na indústria americana; tem .Paak e Mars, tem Cardi e Megan. Ainda tem artista que joga o jogo, gente importante e talentosa, que acaba nos atraindo para o lado de lá da força. E, enquanto eles não boicotam a premiação, fica difícil para nós, reles mortais.

Então, se você quer ver tudo isso, vai lá assistir – com a mão na consciência. É aquele dilema de separar arte do artista, aplicado a um evento e uma premiação inteira; quando você detesta parte da instituição, mas valoriza alguma outra fração, fica ainda mais difícil. E a Recording Academy sabe disso.

E, para quem vai para a festinha na casa do The Weeknd para não ter que assistir, não se preocupe: os Grammys estão, sim, caminhando para a insignificância. Há muito tempo, eles já não são determinantes do que realmente foi bom – quando você compara as listas de “melhores da última década” com quem realmente venceu Grammys, vai ver que a conta não fecha (nem chega perto). Ironicamente, a própria Recording Academy se esforça para contribuir para o próprio fim. A galera deve estar tão intrincada na corrupção que não consegue se atualizar de verdade, homenagear quem merece.

O engraçado é que, depois de escândalos como o de Portnow, a Academia está há anos mudando categorias, trocando cargos sêniores, dizendo que se empenha. Todo ano, eles prometem que “agora vai”. Bom… não foi não. E convenhamos? Não vai mais.

>>

POPLOAD NOW – Três momentos musicais do Super Bowl, estrelando The Weeknd, Miley Cyrus e Bruce Springsteen

>>

Captura de Tela 2021-02-08 às 7.55.10 AM

* Aparentemente curado da mágoa de não ter sido indicado ao Grammy, o músico canadense The Weeknd fez o graaaaaande show do Super Bowl 55, realizado ontem no intervalo do jogo Raymond James Stadium, na Florida. Por 15 minutos, Weeknd espremeu sete músicas em sua apresentação, de seu primeiro disco “House of Balloons” (2011, na real sua primeira mixtape) até o “desprezado” “After Hours”, do ano passado. Isso em meio a um incrível cenário urbano de luzes e milhões (o exagero dá conta) de dançarinos em casacos vermelhos. De seus primórdios, Weeknd tocou rapidinho “House of Balloons/Glass Table Girls”, mas na famosa parte que usava sample de “Happy House”, hit do grupo inglês pós-punk Siouxsie and the Banshees. Showzão.

****

* Uma mistura de comercial de carro com uma mensagem política ao povo dos EUA marcou o primeiro (e pomposo) comercial da vida do lendário cantor Bruce Springsteen, exibido ontem no milionário intervalo do Super Bowl, a grande final do futebol americano. A única propaganda em mais de 50 anos de carreira do “Boss” foi mais assunto até que as belas imagens do Jeep que dirigiu, falando coisas como “We just have to remember the very soil we stand on is common ground”, para uma nação tão polarizada como a americana pós-Trump.

****

* Nossa roqueira Miley Cyrus fez um movimentadíssimo show com plateia ontem para o Super Bow. Não ali entre os segundos mais caros da TV mundial, no intervalo do jogo. Foi antes, no “pre-game”, em palco montado no estacionamento do estádio para ir recebendo o público que chegava, no evento chamado Taligate. E teve de tudo na quase hora e meia de apresentação de Cyrus, coisa de 20 músicas. Presenças especiais de Billy Idol e Joan Jett, várias canções de seu mais recente disco, “Plastic Hearts”, do ano passado, e muitas covers, entre elas de Bikini Kill, Dolly Parton, Blondie e Nine Inch Nails. O público presente, cerca de 7 mil pessoas lindamente aglomeradas à frente de Cyrus, foi formado por vacinados profissionais da área de saúde que trabalham na linha de frente contra a covid-19, os grandes homenageados pelo Super Bowl. “Nós apreciamos tanto vocês e toda a sua entrega por nós. E por isso a gente vai fazer bastante barulho daqui”, anunciou Cyrus no começo de seu show.

****

* Esta seção da Popload é pensada e editada por Lúcio Ribeiro e Daniela Swidrak.

>>

SEMILOAD – Ok, nós precisamos conversar sobre o momento do pop latino!!

1 - semiload-arte2

* A Billie Eilish fofa soltando um espanhol na nova música em perceria “latina” com a Rosalía foi um pouco demais para a Dorinha Guerra, dona da brilhante newsletter “Semibreve”. Não que ela não tenha gostado, veja bem. Mas a música e a Billie abriram um portal para toda uma análise profunda, necessária e certeira do papel dos latinos na música americana. Ou seria o contrário? Com muro ou sem?

Entonces tómalo textón!!!!

Captura de Tela 2021-01-29 às 1.19.09 PM

Na fração mais pop do nosso mundinho, dois dos grandes lançamentos de hoje – Selena Gomez e Anitta – têm um fator nítido em comum: são em espanhol.

O curioso é que, para além de um tal de feat. entre as duas que vazou na internet outro dia, as artistas não poderiam ser mais diferentes: uma é cantora consolidada mundialmente, voltando de ocasionais pausas que dá na carreira; outra é cantora consolidadíssima no Brasil, que tenta se lançar para o mundo com um marketing frenético. Para ambas, a explicação “sou latina” serviu bem. Por quê?

Uns te dirão que é culpa de “Despacito” e tudo que veio na esteira – Rosalía, J Balvin, Maluma e afins. Outros, muito otimistas, encaram a virada “latina” (que na verdade é um nome pra estadunidense ver, já que tem brasileiro, colombiano, argentino e até espanhol nessa mistura) como uma abertura sorridente do mercado americano para novos horizontes.

A verdade é que não tem nada de espontâneo nisso – um dos fatores para esse sucesso estrondoso da música latina em um nível global é, por exemplo, o fato de que os serviços de streaming chegaram nas populações latinoamericanas com força na última década; em tempos quando os charts são a moeda, esse fator é essencial para tornar as músicas em espanhol um produto bastante vendável.

Além disso, esse reggaeton de agora faz sucesso porque faz sentido musicalmente: se inspira no hip-hop e se aproxima do trap, um dos gêneros mais bombados dos últimos anos; a música latina que explode está longe de ser a tradicional música latina, mas uma versão urban moldada especialmente para o mercado que consome as músicas norteamericanas — tudo com o mesmo ritmo e mesmo arranjo, como Vicente García, do Calle 13, falou para a “Rolling Stone” há uns anos.

Mas existe, sim, algo importante acontecendo: para estadunidense que detesta ter que reconhecer outros continentes, a barreira da língua – uma vez quebrada – abre lugar para outras sonoridades. Foi desse modo que a Rosalía encontrou espaço para experimentar com o flamenco, música tradicional da Espanha, e ainda assim criar um produto sonoro com popularidade mundial. Ainda que ela lance trabalhos muito mais comerciais hoje que no próprio “El Mal Querer”, seu famoso segundo álbum (2018), Rosalía é inegavelmente inventiva. E, principalmente, não abre mão de suas raízes.

Em outra frente, Kali Uchis teve uma trajetória um pouco distinta – teve que entrar na indústria cantando majoritariamente em inglês e com parcerias americanas –, mas pôde lançar “Sin Miedo” no ano passado: um disco lindíssimo, inteiramente em espanhol e que honra a música colombiana, cubana e até o reggaeton de todos. Tudo isso mantendo uma estética própria, inconfundivelmente latina (e inconfundivelmente Kali Uchis).

Talvez seja nesse ponto que a última leva latina não tenha conseguido ser bem-sucedida: Shakira só se vendeu como colombiana mantendo somente parte da sua identidade, enquanto se adequava perfeitamente à loirice estadunidense e mostrava que latino também pode ser branco. J.Lo era mais Jenny from the Block, não Jennifer from Puerto Rico; e Ricky Martin, à la k-pop ao inverso, deixava frases como “La vida loca” soltas em uma música em inglês, perfeita para quem tem casa em Miami. Agora, o processo contrário acontece de forma bastante interessante – são os estadunidenses que vêm aprender com a gente (a gente eu não sei, mas com nossos vizinhos, pelo menos).

É, tem gringo aprendendo a falar espanhol. Não foi só (a nova) Selena que de repente se orgulhou de suas raízes mexicanas e tem vídeo em espanhol no Brasil; nos últimos meses, The Weeknd aprendeu umas frases para cantar com Maluma e até Billie Eilish soltou um autotune em castellano ao lado de Rosalía. É alguma coisa, com certeza – mas ainda não é o bastante.

É importante lembrar que a nova latino/urban music ainda é bastante caricata em sua maioria. Bem digeridinha, para gringo ver. E não nos tira a pulga atrás da orelha: estamos sendo apropriados de novo, sem uma contrapartida humana? Ouvir Selena Gomez impede os americanos de erguer muros com o México? Servimos para consumo, mas servimos para valorização? E, afinal, onde entra o português nessa história, se nossa maior representante habla español?

De repente, ser latinoamericano voltou a ser cool. Será que dura? Enquanto a música abre os olhos para o nosso lado do mundo, a gente pega nosso cafezinho, senta na varanda e espera pra ver no que vai dar.

>>

O Grammy e suas peculiaridades 2020/2021: uma “análise” sincera

>>

* O Grammy é e sempre foi aquela premiação da indústria para a indústria, no caso a americana, que sempre olhou para o próprio umbigo ($$$), em uma autobajulação necessária para movimentar o clubinho. Meio que pauta os artistas a caírem no seguinte ciclo vicioso. Se seu nome está concorrendo, parabéns. Sua gravadora ou seu agente fez os contatos certos. Se não, vamos mudar essa estrutura urgente.

Beleza, tudo certo.

A gente fala aqui sobre prêmios farofas do tipo Grammy, porque às vezes rolam umas performances especiais “diferentes”, um bafo qualquer, então está valendo.

Isso posto, tome este post. Tivemos o anúncio ontem do Grammy 2021, que vai acontecer em janeiro.

Nós e os americanos estamos passados que o cantor The Weeknd está fora de qualquer lista de concorrência, mesmo tendo lançado em 2020 seu mais poderoso disco, “After Hours”. A indignação foi registrada pelo próprio The Weeknd em seu Twitter: “Vocês me devem”.

Ao mesmo tempo, estamos de cara com a inclusão do Fontaines D.C., pós-punk poesia da Irlanda, nossos queridos. A banda pode levar o prêmio de melhor disco de rock do ano. Categoria que ainda conta com os Strokes. Sim, quem criticou o disco por aí? Grammys, grammys. Michael Kiwanuka, Grace Potter e Sturgill Simpson também estão na briga. A barra está alta.

Nós e o Fontaines estamos de cara, parece.

1 - 442D6C95-56EF-493E-B077-DF6CBE0DE7CF

Outra surpresa boa acontece na categoria de Melhor Performance de Rock, criada em 2012 para unificar outras três premiações e que tem como base destacar as qualidades vocais ou instrumentais das gravações. Para o Grammy 2021, a categoria foi tomada pelas mulheres: Fiona Apple, Big Thief, Phoebe Bridgers, HAIM, Brittany Howard e Grace Potter concorrem. Sinal dos tempos. Vindo do Grammy a gente sabe que foi um pouco “calculado” o propósito feminino, mas pelas concorrentes não tem mesmo o que falar. Um salto e tanto em um categoria um historicamente machista até aqui. Brittany Howard levou um prêmio nessa categoria dentro do Alabama Shakes, mas, fora ela, só homens foram premiados. Em 2021, já sabemos que vai ser diferente.

E, para concluir esta “análise” do Grammy e seus escolhidos, vale muito ressaltar que este pode ser o ano da Fiona Apple na premiação, veja você. Ela que já levou um troféu no distante 1998 por “Criminal” repete o número de indicações daquele ano – três. Além de concorrer em Performance, “Shameika” pode levar Melhor Canção de Rock enquanto o álbum “Fetche The Bolt Cutters” pode levar na categoria de melhor disco alternativo. Que acaba sendo um prêmio de consolação se rolar, porque o disco não estar na concorrendo na lista de melhor álbum geral é um grande vacilo, praticamente um crime. Ainda mais por uma artista deste porte e com um disco deste tamanho dentro exatamente da indústria musical americana.

Vamos esperar os resultados. Mais até. Vamos esperar os números musicais no Grammy 2021.

1 - Captura de Tela 2020-11-25 a(s) 15.01.50

>>