Em Thom Yorke:

“Nova” do Radiohead. Banda inglesa libera a ótima inédita “Follow Me Around”, jamais ouvida, sempre amada

>>

* Na próxima sexta-feira sai “Kid A Mnesia”, edição comemorativa de 20 anos de dois discos importantes de uma vez do importante grupo inglês Radiohead dos importantes álbuns “Kid A” (2000) e “Amnesiac” (2001) da cultuada banda inglesa Radiohead.

Já estamos dizendo por aqui há algumas semanas, o aniversário dessas obras da obreira banda de Thom Yorke vai ser triplo, com as versões remasterizadas do quarto e quinto álbuns, mais um terceiro disco de inéditas, o “Kid Amnesiae”. É aqui que a gente para.

Essas inéditas, sobras de estúdio das sessões do “Kid A”/”Amnesiac”, lados B de singles da época e recriações de músicas como “The Morning Bell”, “Pulk/Pull”, “Pyramid Song” e “How to Disappear Completely” e também uma gravação de estúdio da famosa entre os fãs “Follow Me Around”, que lá atrás apareceu ao vivo em alguns shows do final dos anos 90, quase entrou no mitológico “OK Computer (1997), a banda achou “velha” demais para botar no “Kid A”, mas que acabou ganhando vida própria entre os adoradores do Radiohead.

Pois a banda acaba de soltá-la para aplacar essa fome de fãs. E para servir de esquenta fervente para o lançamento da próxima sexta.

“Follow Me Around” vem ainda com um vídeo espertíssimo estrelado pelo conhecido ator australiano Guy Pearce (que esteve em filmes como “Memento” e “L.A. Confidential” e na ótima série “Mare of Easttown”, da HBO. Pierce é perseguido por uma mosc… uma câmera subjetiva em sua casa, para deixar aqui porcamente uma descrição do vídeo. Bom para não dar spoilers maiores.

Reza a lenda que “Follow Me Around”, maravilhosa (como uma música destas nunca entrou num disco? Ah, sim, porque é o Radiohead”…), era bastante tocada pelo Radiohead nas passagens de som na turnê do “OK Computer”. E que parte de sua letra, alguns dos versos, também aparecem no livreto oculto que saiu junto de algumas edições do “Kid A”, à época.

Enfim, a “agonia” acabou!.

>>

Noah Yorke, filho do Thom, lança primeiro single. Parece Radioh…

>>

* Tem o filho do Liam, o filho do Bono e agora o filho do Thom Yorke. Noah Yorke, rebento do homem que lidera o cultuado Radiohead, acaba de lançar seu single de estreia. Lá vamos nós.

A música se chama “Trying Too Hard (Lullaby)” e parece muito… Radiohead. No vocal etéreo tipo o do pai e nas guitarras radioheadianas.

Noahyorke

Não é a primeira vez que Noah bota as caras na música britânica, com um disco. Mas é a primeira vez que ele usa seu nome para isso. Ou, melhor, o sobrenome. Antes, em 2020, sob a alcunha Alec Owen, ele soltou logo um disco inteiro, chamado “L.E.T.H.A.L – Living Entities”. Mas não pegou muito.

Jonny Greenwood, guitarrista do Radiohead, elogiou no Twitter o lançamento do “sobrinho”, compartilhando junto a música, que considerou “gloriosa”.

***

Eis, então, “Trying Too Hard (Lullaby)”, de Noah Yorke.

>>

Radiohead solta música “nova” e anuncia o álbum triplo “Kid A Mnesia”. Vai além do que você está pensando

>>

* Bem no dia da confusa independência brasileira, o cultuado grupo inglês Radiohead aparece para anunciar que em 5 de novembro a banda vai lançar “Kid A Mnesia”, uma edição conjunta de aniversário de 20 anos (mais ou menos) de dois de seus marcantes álbuns, o quarto, “Kid A”, lançado em 2000, e o quinto “Amnesiac”, de 2001. Mas com um terceiro disco só com material inédito!!!.

radiodisco

Ambos os álbuns são da era pós-“OK Computer”, que definiu o som “espacial” do quinteto de Oxford liderado pelo nosso amigo Thom Yorke, que queria uma ruptura total do rock, ao modo Radiohead.

“Kid A Mnesia”, que brinca com o título dos dois discos, será triplo e não é exatamente uma “coletânea de hits”. Os três volumes do lançamento radioheadiano, que terá vários formatos e edições e possibilidades, de cassete a livro de arte, reunirá os dois álbuns lindos da banda e ainda o “encontro dos dois”, que é um terceiro disco com inéditas chamado “Kid Amnesiae”.

Este último contém as chamadas sobras de estúdio das sessões do “Kid A”/”Amnesiac”, lados B de singles da época, recriações de músicas como “The Morning Bell”, “Pulk/Pull”, “Pyramid Song” e “How to Disappear Completely” e também uma gravação de estúdio inédita da canção “Follow Me Around”, que lá atrás apareceu ao vivo, em shows da banda.

O tracklist de 12 músicas do “disco à parte” do “Kid A Mnesia”, o “Kid Amnesiae”, está abaixo. Junto com a revelação da nunca antes ouvida “If You Say the Word”, que virou single digital e está nas plataformas, já.

***

* O “Kid Amnesiae”

Lado 1
LIKE SPINNING PLATES (‘WHY US?’ VERSION)
UNTITLED V1
FOG (AGAIN AGAIN VERSION)
IF YOU SAY THE WORD
FOLLOW ME AROUND

Lado 2
PULK/PULL (TRUE LOVE WAITS VERSION)
UNTITLED V2
THE MORNING BELL (IN THE DARK VERSION)
PYRAMID STRINGS
ALT. FAST TRACK
UNTITLED V3
HOW TO DISAPPEAR INTO STRINGS

***

* Foto da banda, de 2001, é de John Spinks.

>>

“Creep” tá na moda. Thom Yorke faz versão 2021 do clássico do Radiohead para estilista japonês. E para este mundo loko

>>

* A música mais famosa da famosa banda inglesa Radiohead, “Creep”, ganhou uma versão nova de seu criador, Thom Yorke, a “Creep (Very 2021 Rmx)”.

Os motivos são três: pelos 30 anos da música, que já existia antes de o Radiohead lançar seu primeiro álbum, “Pablo Honey” de 1992; porque segundo Yorke o mundo parece estar de cabeça para baixo e merece este novo remix da fucking special canção; e para oferecer a versão ao amigo estilista japonês Jun Takahashi.

A versão, que começa voz e violão, diminui bem a velocidade da original e vai ganhando um andamento dramático tanto pelo vocal “bêbado” de Thom Yorke quanto por um rasgo de guitarra metalizado, dura nove minutos.

Esta “Creep” 2021 e foi oficialmente mostrada no final de semana no Japão por Takahashi, ao mostrar a coleção de outono de sua importante marca, a Undercover, num evento de moda.

É do fashion designer também a arte que ilustra o vídeo que “Creep (Very 2021 Rmx)” ganhou. E que você pode ver no vídeo abaixo.

***

* “Creep”, o clássico do Radiohead que já chegou a ser banido pela banda de seus shows e foi magistralmente zoada “para o bem” por Beavis & Butt-Head nos áureos tempos da MTV americana, é uma música que parece que não vai morrer nunca.

Há poucos anos, Lana Del Rey veio a público (ou seja, às redes sociais) dizer que estava sendo processada por advogados do Radiohead, que a acusavam de plagiar “Creep” na música “Get Free”, de seu álbum de 2017, “Lust for Life”. O povo que cuida da parte legal da banda inglesa negou o processo, dizendo que apenas queria que Lana incluísse nos créditos o nome de Thom Yorke na autoria de “Get Free”. As músicas têm, sim, alguma semelhança mesmo. Não aconteceu nem o processo, nem a inclusão da autoria nos créditos de “Get Free”.

Há poucas semanas, no enorme show do Foo Fighters no Madison Square Garden, que oficialmente abriu a importante arena de Nova York para shows lotados depois da pandemia, o Foo Fighters tocou “Creep” para o convidado especial Dave Chappelle cantar. O popularíssimo comediante da Califórnia é famoso, entre outras coisas, por sempre arriscar no gogó uma cover de “Creep” em seus shows de stand-up ou em aparições em performances de amigos.

Aqui, o tweet de Thom Yorke explicando sua “nova Creep”.

>>

Veja a banda The Smile em ação. Nome do grupo novo do radiohead Thom Yorke não é isso que você imagina

>>

Captura de Tela 2021-05-23 às 10.13.32 AM

* “A gente se chama The Smile”, disse ontem Thom Yorke explicando o nome de sua nova banda, que estreou logo durante a transmissão ao vivo e mundial do festival Glastonbury, versão online e batizada de “Live at Worthy Farm”.

“Mas não é aguele ‘smile’ tipo :). É mais um sorriso como aquele cara que mente para você todos os dias.”

A Smile, de Thom Yorke, um trio, cujo nome deriva de um poema do lendário Ted Hughes, o que explica a ironia britânica fina, foi anunciada ontem mesmo, sábado, horas antes de o lindo “global streaming” do Glasto ir aos ares. Além de Yorke, tem ainda seu companheiro de Radiohead, o guitarrista Jonny Greenwood, e o baterista de jazz Tom Skinner.

Além do Smile, como convidado especial, o “Live at Worthy Farm” teve shows rápidos de Damon Albarn, talvez o melhor da noite, Idles, com uma garota na banda, Coldplay coloridão, Wolf Alice abrindo, as Haim tocando lindonas, os charmosos Michael Kiwanuka e Jorja Smith e a DJ Honey Dijon fazendo um set em que recebeu a convidada Róisín Murphy, com um clima literário na natureza protagonizado por gente como PJ Harvey, Jarvis Cocker e a poeta não-binária Kae Tempest, ex-Kate Tempest.

O Glasto repete hoje todas as cinco horas do evento mostrado ontem, a partir das 20h no horário brasileiro. E amanhã a gente tenta trazer os vídeos de tudo aqui. Mas, por ora, vamos focar no Smile, do Thom Yorke.

O grupo novo 2/3 Radiohead apresentou oito músicas (veja setlist abaixo que eles postaram no Twitter). O som vai da viagem radioheadiana mesmo (o show começou com “Skirting on the Surface”, que é uma música não lançada da banda “principal” de Thom Yorke) ao punk rock. Como você vai poder ver/ouvir abaixo, tem até umas quebradas matemáticas de indie rock, tipo atualíssima dessas perpetradas na música atual por bandas como Black Mid e Black Country, New Road, entre outras.

O que a gente pode mostrar da nova banda The Smile, do Thom Yorke, é assim:

Captura de Tela 2021-05-23 às 9.25.40 AM

>>