Em tiny desk:

Na semana de lançamento do disco do ano (?!), rapper Little Simz solta uma Tiny Desk incrível

>>

* Que beleza a rapper inglesa maravilhosa Little Simz sentadona num sofá Chesterfield vermelho gravando sua Tiny Desk, para mandar para Washington, DC. A série online à distância recebeu a cantora e atriz britânica de sangue nigeriano que lança nesta semana, mais precisamente na sexta dia 3, seu aguardaaaaaado novo álbum, “Sometimes I Might Be Introvert”, que obviamente vai ser um dos discos de 2021, de tanto single poderoso que já conhecemos.

A session de Simz para a Tiny Desk teve quatro músicas: “Introvert”, “I Love You, I Hate You”,
“Point and Kill” (com a presença do artista Obongjayar, chiiiiiiiic) e “Woman”, tudo de seu quarto álbum (ou segundo, dizem).

Sem palavras para essa session. Resta mostrá-la.

>>

…Eis que a banda inglesa Dry Cleaning chega à session para a Tiny Desk

>>

Captura de Tela 2021-07-06 às 12.53.31 PM

* Junta duas coisas que a gente gosta bastante, a série online de sessions incríveis Tiny Desk e a banda inglesa Dry Cleaning e VOILÀ!!!

Prediletos da casa, o grupo post-punk feroz da incrível faladeira Florence Shaw, que lançou um dos discos do ano até agora (o de estreia, “New Long Leg”, que saiu em abril), baixou a bola sonora para transformar suas potentes músicas em algo mais… tranquilas, acústicas. E botá-las num ambiente meio apertado para caber bem na proposta do programa da NPR americana, o conglomerado de rádios cools dos EUA.

Ficou até engraçado de tão bom. Soando brincadeirinha para a banda, a voz de Shaw ficou ainda mais “dreamy”, assim, sem a barulheira da guitarra do Dry Cleaning.

A session foi gravada num cantinho da loja de discos World of Echo, a predileta deles e que fica no East London. Pôster dos grandes The Fall e Wipers à vista, além de um letreiro cool de néon “The club is open”.

Esse Tiny Desk com o Dry Cleaning ganhou até um textão na legenda do Youtube. Florence Shaw e seus amigos merecem. Foram reformatadas para a ambientação nova três faixas do “New Long Leg”. E entrou ainda uma de um EP mais “antigo deles”, a bonitona “Viking Hair”.

Ficou assim:
– “Her Hippo”
– “Unsmart Lady”
– “Leafy”
– “Viking Hair”

Boa viagem!

>>

A banda canadense Men I Trust baixa a nossa bola em session linda para o Tiny Desk

>>

* Às vezes precisamos de uns berros punk, às vezes precisamos de delicadeza no ouvido. Se você está no segundo “mood”, então a session que a fofa banda canadense Men I Trust acaba de ver lançada pelo programa online Tiny Desk é o que você precisa.

O trio de dream pop de Montreal, que tem no vocal e tambem guitarra a loira Emma Proulx, sentou no sofá para mandar uma performance de quatro músicas para uma das nossas séries de apresentações favoritas. Tudo música de seus álbuns mais antigos. E com uns agregados encorpando a banda.

O Men I Trust recentemente anunciou que vai lançar seu quarto álbum, “The Untourable Album”, em algum momento de setembro/outubro deste ano, que virá com uma grande turnê norte-americana, ainda não divulgada.

Para esse Tiny Desk, eles alugaram uma choupana no Canadá, há algumas semanas, para se verem pela primeira vez pós-pandemia e para ensaiar algumas músicas e gravar a session, que você vê aí embaixo.

As músicas tocadas foram:
“Show Me How”
“Lucky Sue”
“Humming Man”
“All Night”

>>

Popnotas – Luedji Luna encontra o Tiny Desk que encontrou o Afropunk. A H.E.R. e o Oscar. A H.E.R. e o single novo. A “Lady” do Marvet. E a pistolada do sex pistol

>>

– CENA – Um delicioso episódio especial da plataforma de shows apertadinhos Tiny Desk foi ao ar sexta, envolvendo a marca Afropunk, famoso selo de mobilizações musicais ligado à cultura negra. Rolou o “Tiny Desk Meets Afropunk“, com uma série de apresentações por quase uma hora de duração, com uma escalação que tinha o trio colombiano ChocQuibTown, a cantora portuguesa de 18 anos Nenny, a porto-riquenha Calma Carmona e a brasileira Luedji Luna (foto na home). A cantora baiana, amiga de Popload Festival, foi a terceira a ter sua performance de três músicas mostrada. Toda de vermelho, dela rolaram “Lençois”, “Erro” e “Chororô”, começando pouco depois do minuto 27.

– Na parte que nos toca deste Oscar 2021, teve a incrível Glenn Close fazendo twerking, o Trent Reznor e o Atticus Ross ganhando por melhor trilha sonora com “Soul” e o longa “Som do Siléncio” ganhar por “melhor som” muito pela ausência de som e pelo ator Riz Ahmed usar no filme a camiseta do histórico grupo de noise alemão Einstürzende Neubauten, com fortes ligações com o Nick Cave. E teve também a pomposa performance na cerimônia da ótima H.E.R., nome de “guerra” da californiana com traços de sangue filipino Gabriella Wilson, 23 anos. Foi num evento do Oscar transmitido antes da premiação em si. H.E.R. acabou levando a estatueta de melhor canção original pelo filme “Judas e o Messias Negro”, de Shaka King. E, em sua apresentação, para variar, ela começa a música, que fez especialmente para o filme, tocando bateria.

H.E.R., parte dois. A oscarizada cantora filipino-americana, que já tocou no Rock in Rio e no Super Bowl, lançou sexta passada uma música nova, “Come Through”, com participação do rapper, dançarino, ator e amigo Chris Brown. A música, um R&B preguiçosamente gostoso, deve compor o próximo disco da cantora, que em 2019 lançou seu último disco, o campeão “I Used to Know Her”. Que fase da H.E.R.

CENA – Nesta terça-feira o carioca Marvet lança o single “Lady”, parte de uma série de movimentações suas chamada “Projeto Três Rios”, para chamar a atenção para a cena artística de sua cidade, que fica no interior do Rio de Janeiro. Já temos o vídeo oficial da música aqui.. Três Rios fica na região de Petrópolis e é um conhecido polo cultural e arquitetônico. “Lady” é o segundo single de um álbum a ser lançado em 11 de maio, exatamente com o nome de “Três Rios”. O disco, gravado ao vivo, tem a produção do conhecido cantor alagoano Wado. Dentro desse “Projeto Três Rios”, além do disco, Marvet colocará no ar, via Youtube, um documentário que abordará não só seu primeiro trabalho solo mas também a cena de Três Rios, com o foco em artistas e produtores locais.

– Treta à vista no seriado dos Sex Pistols que está sendo filmado, com previsão de exibição ainda para este ano (Netflix?). Dirigida por Danny Boyle (“Trainspotting”) e com o nome de “Pistol”, a produção de seis episódios está sendo ameaçada de parar por ninguém menos do que o “trumpista” e ex-vocalista dos Pistols, o podrão Johnny Rotten, ou John Lydon, como queira. Em entrevista à edição de domingo do jornalaço inglês “The Times”, Lydon, trumpista assumido (ok, não vem ao caso. Não?) disse que não foi consultado para ser um consultor (né?) da série, contratado e tals, e achou isso uma afronta. E promete entrar na justiça contra Boyle. Por sua vez, o diretor escocês soltou comunicado dizendo que Lydon não retornou suas últimas mensagens, tentando contado com o pistola dos Pistols. A série é baseada no livro de memórias do ex-guitarrista da banda, Steve Jones, o “Lonely Boy – Tales from a Sex Pistol”, de 2016, lançada dentro das comemorações de 40 anos do punk.

>>

Popnotas – O documentário tombado da Karol Conká. O menor show do mundo na “Tiny Desk”. O volume dois do Boogarins. E as homenagens do Kid Cudi ao Kurt Cobain

>>

– A hoje nacionalmente polêmica rapper curitibana Karol Conká, que há poucos meses saiu algo cancelada do programa global “Big Brother Brasil”, do qual participou, com taxa de votação altíssima, está ganhando um mimo da emissora carioca, para ajudá-la na retomada de sua carreira. Vem aí o documentário “A Vida Depois do Tombo”, título muito bom que brinca não só com seu episódio no famoso reality quanto com seu maior sucesso, o single “Tombei”, de 2014. O doc sai no final do mês, dia 29, na Globoplay, prometendo “bastidores de seu novo projeto”, além do impacto do reality show em sua carreira.

***

– O menor show do mundo só poderia ter acontecido dentro da série “Tiny Desk”, do conglomerado de rádios americanas NPR. Esta performance especial foi feita, ainda que para a “Tiny Desk”, dentro da versão virtual do South by Southwest deste ano. E foi protagonizada pelo inovador trio de hip hop experimental Clipping., de Los Angeles. Foram seis músicas tinies em 15 minutos. Tipo impressionante de tão pequeno este show.

***

– Banda indie brasileira de alto padrão musical ainda que lançando demos, outtakes ou sonorizando memórias, o Boogarins acaba de lançar o volume 2 de seu “Manchaca”, disco que remonta à temporada que o quarteto goiano passou na casa de mesmo nome em Austin, Texas, em 2016, que resultaria no EP “La Vem a Morte”, de 2017, e no álbum “Sombrou Dúvida”, de 2019. O volume 1 foi lançado em agosto do ano passado. Este “Manchaca: A Compilation of Boogarins Memories, Demos and Outtakes from Austin, TX – Vol. 2” traz 12 faixas, sendo a última delas a “Far and Safe”, versão em inglês da famosa “Te Quero Longe”), que teve letra reformulada e vocal de Erika Wennerstrom, da banda Heartless Bastards, de Ohio. Contamos essa história aqui, há umas semanas. Abaixo, o disco todo.

***

– O importante rapper americano Kid Cudi foi a atração de anteontem do programa “Saturday Night Live”. No “SNL”, Cudi apresentou ao vivo duas músicas de seu sétimo disco, “Man on the Moon III: The Chosen”, lançado em dezembro: “Tequila Shots” e “Sad People”, esta última com o rapper cantando com um vestido floral, em um tributo a Kurt Cobain, ex-Nirvana, cujo 27º aniversário da morte por suicídio se deu semana passada. Várias vezes Cobain apareceu em palco ou capa de revista usando vestido. “Sad People” traz uma letra que pede carinho e amor a pessoas abatidas pela tristeza, na linha “mental health” que se espalhou pela música, em vários gêneros. Na primeira música interpretada pelo rapper, “Tequila Shots”, ele cantou com uma camiseta do saudoso comediante Chris Farley, ex-“SNL”, morto também nos anos 90, este por overdose de drogas. Por cima da camiseta, Kid Cudi vestia um desses sweaters de lã, verde, também uma marca de vestimenta de Cobain. Confira as duas performances com todas as homenagens, abaixo.

******

* A imagem que ilustra a chamada para este post na home da Popload é uma montagem tirada do site musical americano “Consequence of Sound”. E traz Kid Cudi e Kurt Cobain usando vestidos florais parecidos.

>>