Em War:

Idles do dia. Agora tocando novas em session para a emissora 6Music, rádio da BBC

>>

idlesnormal

* Ainda no bafo forte do álbum “Ultra Mono”, terceiro da banda post-punk inglesa Idles, número 1 em vendas no Reino Unido, a gente revisita mais uma vez essas performances recentes que eles têm criado e distribuído para rádios e TVS nos EUA ou em UK, para manter as músicas novas circulando ao vivo.

Chegamos à ida deles ao Radio Theatre, palco-estúdio da BBC no centro de Londres, onde o grupo de Bristol gravou uma apresentação ao vivo de duas novas desse disco que é um dos mais importantes produtos fonográficos deste ano complicadinho. Foi a pedido da 6Music, a rádio só online do gigante grupo de comunicação e uma das emissoras mais bacanas do planeta.

Então temos o Idles em performance de “War”e “Grounds”, duas belezuras raivosas.

>>

Mais Idles: Banda toca seis novas na casa dos Beatles. Veja todas (com um bônus)

>>

Captura de Tela 2020-08-31 às 9.43.35 AM

* Uma das melhores bandas ao vivo do mundo, hoje, sendo que o mundo hoje anda muito gozado para bandas ao vivo, o Idles também experimentou tocar nos estúdios Abbey Road em caráter de performance ainda que para um público imaginário, neste final de semana, algumas músicas de seu próximo álbum, “Ultra Mono”, que sai no fim de setembro.

Pelas minhas contas foram seis das 12 do disco. Todas muito boas ao vivo, deu para ver. Pensa quando o Idles, que já tem uma dezena de datas esgotadas para “shows reais” no meio do ano que vem, encarar um público pela frente.

Confira, abaixo, tudo misturado das três apresentações de streaming que fizeram em Londres no sábado e no domingo, além das covers polêmicas, as faixas “War”, “Grounds”, “Mr. Motivator”, “Kill Them with Kindness”, “Model Village” e “A Hymn”, todas de “Ultra Mono”.

Ah, deixo também um vídeo bônus de um clássico, só porque você merece.

>>

Os corações do U2 estão batendo como um só

>>

* Antes uma pausa para a fã que ganhou as baquetas do Larry Mullen.

280715_u2fa

A gigante banda irlandesa U2 segue com sua turnê em arenas pelos Estados Unidos. O fato do grupo tocar em locais menores (tipo 15 – 20 mil pessoas) obrigou Bono e seus amigos a marcarem uma espécie de “mini-residências” em cidades como Los Angeles e Nova York.

No Madison Square Garden, em NY, os irlandeses marcaram nada menos que 8 apresentações seguidas desde a semana passada. No último domingo, por exemplo, eles receberam como convidada especial a Lady Gaga.

280715_u2gaga

O ritmo frenético de shows em uma só cidade geralmente implica e força na mudança de setlists. Daí que, no show de ontem, o U2 tocou pela primeira vez em 26 anos a clássica “Two Hearts Beat As One”, uma das canções preferidas dos fãs, presente no disco “War”.

O momento obviamente foi filmado por um fã. O U2 tem ainda dois shows por fazer no lendário ginásio.

Setlist – U2 em Nova York – 27/07/15
The Miracle (of Joey Ramone)
Two Hearts Beat As One
Vertigo
I Will Follow
Iris (Hold Me Close)
Cedarwood Road
Song for Someone
Sunday Bloody Sunday
Raised By Wolves
Until The End Of The World

Invisible
Even Better Than The Real Thing
Mysterious Ways
Desire
Angel Of Harlem
Every Breaking Wave
Bullet The Blue Sky
Pride (In The Name Of Love)
Beautiful Day
The Troubles
With Or Without You

City Of Blinding Lights
Where The Streets Have No Name
One

>>

Atenção, Mundo: a incrível volta do BABE, TERROR

>>

* Babe, Terror, projeto de um homem-só do paulistano Cláudio Szynkier, é o que (ainda) se pode chamar do indie-do-indie. Talvez indie-do-indie-do-indie. E mesmo que a cara seja de música eletrônica.
Por tudo o que a alcunha significava lááá atrás mesmo: ele cria, produz, grava no estilo bed-fi (o lo-fi gravado no quartinho), lança, divulga, é seu próprio assessor de imprensa etc. O gênio Alan Mcgee, em texto para o jornal inglês “The Guardian”, chegou a chamar o single que recebeu por email do próprio ‘Babe, Terror’ de “a volta barulhenta da Tropicália”, dizendo que ouviu ali ecos de No Age e TV On The Radio.

* É mais viajante que barulhento, na verdade, e difícil de definir. Ele gosta de chamar o que faz de “wdm” (“wrong dance music”). Perfeito, vamos ter que concordar. Em 2010, o rei de Perdizes, bairro onde o “Babe” se instalou e que adora elogiar, pulou do indie-indie-indie para um indie mais (ok, quase) mainstream, caindo nas graças do produtor e DJ Erol Alkan, o herói inglês do novo rock que descambou para a eletrônica há um tempinho.

* “Knights”, novo e quarto trabalho de Terror acaba de ser lançado também pelo PHANTASY, selo do Alkan. O EP terá 5 faixas, totalizando 34 minutos de vocais abafados, guitarras, teclados, sintetizadores, bateria eletrônica e climão ‘bad trip paranóia’, babe. As 5 faixas serão “Lifantastic I”, “Savagestic”, “Cleric”, “Lifantastic II” e “War”.

* A primeira faixa a aparecer por aqui é “War”, uma alucinação com mais de sete minutos:

* O vídeo foi dirigido por Ryan Lumley. O EP já está à venda no iTunes.

>>