Em years & years:

As apresentações legais do Brit Awards, ontem. Tirando a do Coldplay, que já mostramos

>>

* Ontem na Inglaterra foi transmitido pela internet o Brit Awards 2021, um dos principais prêmios de música do planeta. O Brit Awards na real foi transmitido para o mundo, porque para 4 mil ingleses foi ao vivo mesmo, do jeito antigo, galera vendo o evento no mesmo lugar, aquela loucura que o covid quer há mais de ano que a gente esqueça como é.

A premiação geral em si, que rolou na majestosa O2 Arena, num dos cantos sul de Londres, foi assim assim. O ator e comediante inglês Jack Whitehall conduziu a noite.

As garotas superpoderosas Dua Lipa, Billie Eilish e Taylor Swift ganharam os delas. Weeknd e Little Mix blablablá. Os discursos foram aquela emoção: “Queria agradecer a minha equipe, aos fãs, à gravadora…”.

Um geralzão de três minutos da noite de ontem está bem resumida neste vídeo legal aqui:

Na parte que nos toca, a novinha Arlo Parks ganhou o prêmio da revelação britânica do ano. Single do ano foi “Watermelon Sugar”, do Harry Styles. “Future Nostalgia”, da Dua Lipa (foto na home), foi o disco de 2020. As irmãs californianas Haim bateram BTS e Foo Fighters no “grupo internacional do ano”.

Mas vamos às apresentações da noite, as que achamos mais bacanas. Umas ao vivo, lá no local, outras gravadas e enviadas de longe:

>>

Top 10 Gringo – Fizemos um feng chui no nosso ranking. E o Silk Sonic chegou tomando conta do topo. E, veja, tem até o Wallflowers e não estamos nem nos anos 90

>>

* Uma semaninha com muitas novidades, ainda que relativamente morna – a princípio, vá lá. Afinal a gente nunca sabe como algumas músicas vão envelhecer na nossa playlist. Ou será que estamos muito exigentes achando morno um encontro de dois gênios do pop atual e de um ex-beatle com um membro do Radiohead? Ou então o retorno de uma banda bem legal dos anos 90 e de bons singles de vários artistas que estão prontos para serem as novas sensações dos próximos dez anos? Vai saber. Ah, e resolvemos tirar do Top 10 as músicas do Dry Cleaning, porque tava meio covardia. Fizemos a limpa, tudo novo, só deixamos a St. Vincent. Porque é a St. Vincent, né?

silkquadrado

1 – Silk Sonic – “Leave the Door Open”
Anderson .Paak e Bruno Mars são dois caras talentosos, cada uma na sua função, com seus públicos e som. A união dos dois não tinha como dar errado. Ainda que talvez não esteja produzindo nada de muito novo, vale a junção pela tiração de onda, por criar música no instinto do estúdio em poucos dias, um respiro dentro da pandemia que tiraram os dois de suas rotinas. Aqui eles abusam do quanto sabem de música, da boa música. Sobram referências ao melhor da soul music clássica.

2 – Wavves – “Sinking Feeling”
A querida banda californiana Wavves está de volta. O grupo de Nathan Williams traz seu surf rock mais psicodélico para outros campos em “Sinking Feeling”, música que fala do nosso tão recorrente e importante assunto, o indie mental-health. Segundo o vocalista, a faixa é uma canção sobre uma onda de depressão que não para de voltar. Ainda que não seja um tema leve, talvez eles nunca tenham soados tão pops também – mesmo com uma sujeirinha e tortuosidade no solos no som.

3 – St. Vincent, “The Melting of the Sun”
Segunda semana de St. Vincent por aqui e repetimos uma ideia: ela é dona de uma das guitarras mais espertas do mundo hoje. Nesta balada, segundo single de seu álbum “Daddy’s Home”, que sai no próximo 14 de maio, ganhamos de presente um senhor solo de guitarra, que nem parece com solo de guitarra, mas é sim. É uma coisa tão fora da curva que até fica difícil reparar no que veio antes ou depois desse evento nesta música.

4 – Sinead O’Brien, “Kid Stuff”
Irlandesa, de Dublin, a cantora-poetisa Sinead O’Brien solta sua primeira novidade de 2021. Mais um som envolvente na letra – quase quilométrica – e no seu jeito de cantar, quase falado, como se recitasse seus escritos, interpretasse suas emoções. Sempre além de apenas a música. Está aí uma aposta nova, uma artista que quando resolver escrever um álbum completo vai produzir algo que vai ficar para a história. Conheça antes.

5 – Sorry – “Don’t Be Scared”
E os ingleses do Sorry, que ainda colhem os elogios de seu álbum de estreia bem-sucedido do ano passado, seguem com “fluidez de gênero”, digamos assim, já que seu som transita entre o indie, eletrônico, jazz e pop. Segundo o quinteto, o EP novo, “Twixtustwain”, reflete a sua sensação de “claustrofobia” vivida durante a pandemia. Sabemos bem o que é isso. Ouça qualquer música do disquinho. Mas ouça principalmente esta “Don’t Be Scared”.

6 – Japanese Breakfast – “Posing in Bondage”
O projeto synth-pop da coreana Michelle Zauner traz mais um single do seu próximo álbum, “Jubilee”. A música, “Posing in Bondage”, fala sobre solidão e saudade. Nele a artista comenta: “Nenhum lugar parece mais solitário do que uma mercearia vazia à 1h da manhã”. Pensa em um sonzinho melancólico gostoso de escutar, uma música que se desenvolve bem devagar sem nunca soar desinteressante.

7 – The Wallflowers – “Roots and Wings”
É algo especial a volta do Wallflowers, a banda do Jakob Dylan, filho do velho Dylan. Sonoramente na mesma toada de roots rock de antes, meio do pai, meio viajante na linha War on Drugs, para citar uma banda “mais atualizada”, mas não faz mal. Ainda que talvez seja mais chocante para os brasileiros saberem que eles planejam uma turnê assim que “Exit Wounds”, seu novo álbum, for lançado, em julho. Não aqui obviamente. Para nós, resta só a música.

8 – London Grammar – “America”
Este lançamento fresquinho do trio britânico de indie pop é uma das mais bem acabadas reflexões sobre a inexistência do sonho americano, que embora seja americano está impregnado em milhões de cabeças de ingleses, brasileiros e do resto do mundo. Na canção, o personagem reflete sobre abandonar de vez aquele sonho que nunca existiu para ele, que era algo ilusório. Um reflexão carregada de melancolia talvez pelo tempo e pelo custo que ela demorou em acontecer.

9 – Years & Years – “StarStruck”
Sabe uma canção para dançar bem resolvida e só – que já é bastante coisa? É isso que o ótimo Olly Alexander, que agora assume sozinho a responsa do Years & Years, produz aqui. Tanto que o vídeo da música é uma supercoreografia da renomada Sherrie Silver, responsável por “This Is America”, vídeo obra-prima do Childish Gambino. Olha o naipe.

10 – Paul McCartney – “Slidin (EOB Remix)”
Um encontro de um ex-beatle com um atual Radiohead não é pouca coisa. Ainda que o toque de Ed O’Brien seja sútil, ele transforma bem a canção original, dando velocidade e destaque a voz gritada do Paul, que é algo sempre impressionante. Dá para dizer que é melhor que a versão original sem medo.

***

***

* A imagem que ilustra este post é da dupla Anderson .Paak e Bruno Mars, o Silk Sonic.
** Repare na playlist. A gente inclui as 10 mais da semana, ou quase isso, mas sempre deixa todas as músicas das semanas anteriores. Pensa no panorama que isso vai dar conforme o ano for seguindo…
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Popnotas 2 – O filme novo do Dave Grohl. O vídeo fera do Years & Years. Lil Nas X nas paradas do mundo. Silk Sonic dominando os EUA

>>

– Até quem encana que nosso amigo Dave Grohl não vive seus melhores momentos na música admite que o rapaz se encontrou mesmo foi na onda de fazer documentários: os já conhecidos “Sonic Highways” (2014) e “Sound City” (2013), por exemplo, são duas obras bem legais. E vem aí mais um documentário by Grohl. É o filme “What Drives Us”, um doc que começou sobre a experiência das turnês em vans e evoluiu para uma avaliação sobre o que realmente motiva um músico a embarcar nessa vida. O documentário tem entrevistas com Jennifer Finch, do L7, Tony Kanal, do No Doubt, Flea, do Red Hot Chili Peppers, Lars Ulrich, do Metallica, entre outros. O “What Drives Us” estreia no dia 30 de abril pela Amazon Prime. Dá uma sacada no trailer:

– “Starstruck”, primeiro single do grupo inglês Years & Years desde o álbum “Palo Santo”, de 2019, e depois de o dono da banda, Olly Alexander, ter estourado com a supersérie “It’s a Sin”, ganhou um vídeo responsa, divulgado hoje. Dançando sozinho, o talentosíssimo Olly domina a cena em uma coreografia da renomada Sherrie Silver, responsável por “This Is America”, vídeo obra-prima do Childish Gambino.

– “Montero (Call Me by Your Name)”, do Lil Nas X, pegou o primeiro lugar esta semana no Billboard Global 200 – ranking lançado em setembro do ano passado para listar quais são os singles mais bombados no mundo, em uma conta da publicação que leva em consideração vendas e streamings em 200 países. Tudo bem que ele já tinha ficado em segundo no nosso top 10 gringo, mas conseguiu mais uma grande conquista com seu single arrasa-quarteirão, de vídeo idem. Que, aliás, já estava em primeiro no tradicional Hot 100 – single mais vendidos só nos EUA – na semana passada.

– Na semana passada porque quem está agora no topo da América é o single de esteia do supergrupo Silk Sonic, projeto dos bambas Bruno Mars & Anderson .Paak (foto na home). A música primeirona do rolê é a deliciosa “Leave The Door Open”. O feito representa ainda a oitava vez que uma faixa de Bruno Mars é número um no chart Billboard Hot 100. Dupla de muitos prêmios Grammy nas costas, eles dizem que a pretensão é lançar um álbum ainda este ano. O vídeo oficial de “Leave The Door Open” é muito bom. E, falando em vídeo, a apresentação deles da música no último Grammy virou tipo um “vídeo oficial 2”. Relembramos os dois, aqui embaixo

>>

POPLOAD NOW – 5 coisas importantes que aconteceram na música, na nossa ausência

>>

* Now and then. Voltamos!!! A gente parou as postagens por três dias, coisas tecnológicas aqui nossas, sabe como é, deu a louca no TI, mas o mundo indie pop não quis parar junto, em solidariedade. Beleza… Então nos resta agora, na nossa volta aos posts, dizer aqui o que de mais importante aconteceu nessa nossa ausência, que a gente não quer deixar passar batido.

***

* ARLO PARKS
Nossa musa indie britânica, indicada a três Brit Awards, segue a linda jornada do seu disco de estreia, “Collapsed in Sunbeams”, Em mais uma das apresentações virtuais, Parks foi a atração musical desta semana em um dos programas do James Corden, “The Late Late Show”. Numa fofurice neste nível aqui. Fofurice séria, bom frisar. E contém entrevista, para ajudar. Ah, a música da performance da “magnificent” Arlo Parks foi a magnífica “Hope”.

***

* SINEAD O’BRIEN
Outra cantora nova dos “lados britânicos” (ela é irlandesa, de Dublin) que adoraaaaamos por aqui, a cantora-poetisa Sinead O’Brien (foto na home) lançou um novo single + vídeo chamado “Kid Stuff”. É o primeiro ato dela em 2021, depois de ter revelado seu EP de estreia, quatro músicas, em setembro do ano passado. Coisa de moleque, videoarte esquisitona (ou não), confere abaixo. Sinal de álbum de estreia? Entrevistamos ela no ano passado, if you fancy!

***

* YEARS & YEARS
A banda, que agora é assumidamente um projeto solo do vocalista e ator Olly Alexander, volta depois de três anos com o single “Starstruck”. O artista explicou recentemente durante a divulgação da faixa que o motivo da ruptura do trio se deu por divergências musicais, mas que os colegas permanecem próximos. Uma evolução que fez a galera trilhar por caminhos diferentes, digamos assim. O single deve ganhar um vídeo na próxima semana, mas, enquanto isso, você confere a canção por aqui:

***

* ST. VINCENT
Ela não para e a gente não cansa dela!! A divina vocalista e guitarrista chic Annie Clark, que está a passos largos em direção ao seu disco novo, “Daddy’s Home”, que sai em maio, soltou o ótimo vídeo para seu mais recente single, “The Melting of the Sun”. O vídeo traz referências mil nesta nova pegada da cantora, meio soul anos 70, supertendência da música atual. A animação começa tipo aqueles vídeos de karaokê (saudades mil) e segue com um mix de desenhos e projeções dela mesma. Para entender, só assistindo mesmo.

***

* WAVVES
Neste a gente comeu bola semana passada. Quer dizer, é muita coisa e às vezes passa batido, um deixa para o outro, acha que já falou, ENFIM, our bad, mals aê. Masssss estamos aqui para contar anyways. A querida banda californiana Wavves está de volta com single e vídeos novinhos. O grupo de Nathan Williams traz um surf rock mais psicodélico em “Sinking Feeling”, música que fala do nosso tão recorrente e importante assunto, o indie mental-health. Segundo o vocalista, a faixa é uma música sobre uma onda de depressão que não para de voltar. “É aquela sensação de afundamento que arrasta você para baixo e não importa o que você faça ou para onde vá, ela te segue”.

>>>>

* Esta seção da Popload é pensada e editada por Lúcio Ribeiro e Daniela Swidrak.

>>

México gostoso, parte 2 – Confira shows completos de Billie Eilish, Years & Years e Cat Power no festival Corona Capital

>>

Foto: Mediocampo

Foto: Mediocampo

Nesta segunda parte, divulgamos por aqui outros shows realizados no festival Corona Capital, no último final de semana, na cidade do México.

Entre as apresentações que estão disponíveis para se ver e ouvir, destaque para a menina fenômeno Billie Eilish, a menina fofura Cat Power, e ainda o incrível Years & Years.

Na parte 1 deste post destacamos shows de Strokes, Raconteurs e Interpol. Tem rock, tem pop, tem indie, tem tudo. Direto do México.

BILLIE EILISH

YEARS & YEARS

CAT POWER

>>