Em years & years:

Olly Alexander testa seus próprios limites em novo disco do Years & Years. Ouça o single “If You’re Over Me”

>>

250817_yearsandyears2

Trio eletropop que não para de crescer na Europa, que dialoga direto com uma molecada mais esperta e moderninha, o Years & Years prepara para julho o lançamento de seu novo disco, “Palo Santo”.

O álbum terá a incumbência de manter o nível de “Communion”, o de estreia que bombou bonito há mais ou menos dois, três anos. A nova aposta da banda liderada pelo distinto Olly Alexander é o single “If You’re Over Me”.

Diz o Olly, artista brilhante da nova safra britânica, rosto conhecido na TV inglesa especialmente pela série “Skins”, que no novo disco ele tentou se colocar fora de sua zona de conforto em termos de processo criativo.

“Palo Santo” será lançado dia 6 de julho.

>>

Mais Lolla Brasil 2018: Years & Years também estará em Interlagos

>>

250817_yearsandyears2

Não é por nada não, mas esse Lollapalooza Brasil 2018 está o melhor de todos. Não concorda?

Chegou à Popload que o Years & Years é mais um nome que vai se misturar com LCD Soundsystem, The Killers, Pearl Jam, Red Hot Chili Peppers, Chance the Rapper, Liam Gallagher e afins para o fim de semana musical em Interlagos, nos dias 23, 24 e 25 de março.

Trio eletropop que já é bem grandinho na Inglaterra e que lota clubes nos EUA com ingressos esgotados com meses de antecedência, o Years & Years tem crescido cada vez mais graças ao bom diálogo sonoro que tem com a molecada, algo bem explícito no último disco deles, “Communion”, de 2015. O grupo é liderado pelo simpaticão vocalista e tecladista Olly Alexander, que também é rosto conhecido na TV e no teatro britânicos. Já falamos aqui, porque há tempos estamos de olho nele, o menino já estrelou a série “Skins”, sucesso teen da TV inglesa não faz lá tanto tempo.

250817_davidbyrne2

Outro que estará no festival é o distinto David Byrne, informação divulgada pelo Jornal Destak, através do jornalista José Norberto Flesch. Cabeça do lindo Talking Heads, grupo que chacoalhou a música alternativa no fim dos anos 70 e especialmente nos 80, Byrne é considerado um dos maiores intelectuais da música e é figura respeitada por gente da sua época e influente para novas bandas até os dias de hoje.

>>

Lollapalooza Brasil divulga as datas oficiais de 2017. E vai trazer LCD Soundsystem e Years & Years

>>

Screen Shot 2016-07-25 at 13.08.09

* O Lollapalooza Brasil já trabalha (faz tempo) pela sua edição 2017 e confirmou nesta manhã as datas para o festival, que acontece nos dias 25 e 26 de março, no Autódromo de Interlagos. Inicialmente o Lolla Brasil iria ocupar o sábado e o domingo da semana seguinte, mas recentemente foi trazido para o último final de semana para março. A produtora T4f, que realiza o festival, anunciou ainda que informações sobre venda de ingressos e line up serão divulgados em breve.

A Popload apurou que as bandas LCD Soundsystem, grupo nova-iorquino liderado por James Murphy, estará na escalação do Lolla Brasil para tocar no Brasil em março. E não só no palco principal de Interlagos. Outra banda, mais nova e britânica, o trio Years & Years, também vira ao Brasil, esta uma atração inédita.

O LCD Soundsystem tem marcado este 2016 como o ano da volta do grupo, que ficou sem tocar ao vivo por cinco anos. A partir do Coachella, a banda fez um número razoável de shows, a maioria em festivais grandes. Passou por Primavera Festival, Bonnaroo, Glastonbury, Roskilde, T in the Park, Lovebox e Panorama, ontem à noite.

A povoada banda de James Murphy toca domingo que vem no Lollapalooza principal, o de Chicago. E será a quinta vez que o grupo dará as caras no país. O LCD já veio ao Brasil quatro vezes, a primeira até antes de ter lançado o primeiro álbum. A última, em 2011, foi pelo Popload Gig em histórico e acalorado show na Pacha, em São Paulo.

O eletropop Years & Years faz sua estreia em palcos brasileiros. E também é forte candidata a estrelar solo em Lolla Parties. A banda, grandinha na Inglaterra e que lota clubes nos EUA com ingressos esgotados com meses de antecedência, tem sua expectiva também em alta para apresentações no Brasil.

O grupo é liderado pelo simpaticão vocalista e tecladista Olly Alexander (a figura central abaixo), que também é rosto conhecido na TV e no teatro britânicos. Ele já estrelou a série “Skins”, sucesso teen da TV inglesa não faz lá tanto tempo.

Screen Shot 2016-07-25 at 14.00.02

* Dedos cruzados para esses nomes não terem seus anúncios gorados nos últimos dias e até o dia do festival. LCD Soundsystem, em especial, é banda que um ser humano precisa ver um dia, pelo menos uma vez na vida.

>>

Califórnia – A volta da Tower Records (mais ou menos), a balada de manhã (não é “after”), o Jim Morrison vermelho e os “fenômenos” ingleses Years & Years e 1975

>>

* Lost angels.

poploadcaliforniaLA3

* Já ouviu “Landcruisin”, do produtor inglês A.K. Paul? Ouça. Por algum motivo que eu ainda vou entender, é o “som da Califórnia”. Além de ser um delicioso R&B moleque, todo gingado no funk, tem no começo o ronco original da moto roxa da capa de “Purple Rain”, do Prince, colocado ali antes do astro morrer.

* Semana passada eu estava comendo uns nachos com guacamole num mexicano podre perto do meu hotel, em Los Angeles, para aproveitar e ver o jogo do Warriors que passava em duas TVs gigantes sem volume, porque o som da casa era um hip hop muito louco, muito alto. Jay Z, Kendrick Lamar, Kanye West, Snoop Dogg, Jay Z bombando. Daí, do nada, começa a tocar “Wonderwall”, do Oasis. E depois volta o hip hop. Isso define Hollywood, entende?

* Me planejei para fazer duas coisas em LA e falhei nas duas. A primeira era ver o filme “Elvis & Nixon”, em cartaz aqui. A outra era para ir numa balada. Às 7 da manhã. Mas não era um after, de alguma festa que começou na noite anterior. Essa balada matinal tinha começado 6h30 da matina.

Chama “Morning Dance Party” ou “Daybreaker” e acontece uma quinta por mês em Downtown LA (parece que tem em NYC, Londres e Tóquio também. Qual a surpresa, né?).

É uma balada para quem quer ouvir música alta e dar uma dançada antes de encarar o trabalho. Vai no máximo até 9h30 e parece que lota, haha. Conheço um monte de amigo que já não sai mais à noite e ia adorar ir numa festa assim.

springs

Rola num “centro de convívio” cool chamado The Springs, em Downtown Los Angeles, um lugar que antes era uma antiga fábrica e hoje tem um café cool, muitas poltronas e mesas com wifi de graça para a galera trabalhar ou estudar, salas de yoga e pilates, almoços veganos e tal. Parece um clube para millenials freaks, mas é legal.

Bom, perdi. Mas achei na internet uma foto de uma dessas festas daybreaker. Sente a vibe.

"People move to the beat during a Daybreaker dance party at The  Springs in downtown Los Angeles May 28, 2015.  The event, which costs $20 runs from 6:30 - 8:30 AM.(Andy Holzman/Los Angeles Daily News)"

“People move to the beat during a Daybreaker dance party at The Springs in downtown Los Angeles May 28, 2015. The event, which costs $20 runs from 6:30 – 8:30 AM.(Andy Holzman/Los Angeles Daily News)”

* Susto na Sunset Boulevard. Susto meu. Estava dando um rolê na minha livraria favorita da cidade quando olho do outro lado da rua, onde ficava a velha megastore de discos Tower Records, e vejo a… Tower Records.

Screen Shot 2016-05-02 at 11.49.22

O predião ali, lindo, parecendo novo, deu até uma certa emoção. O ex-império dos discos Tower Records é californiano e nos anos 80 e 90 bombava nas grandes cidades do mundo, principalmente em Londres, onde tinha uma gigantesca e famosa na Picadilly Circus (quem nunca?). A Tower Records tinha 200 lojas em 30 países do mundo. Até ruir geral, como todos os outros impérios, por causa da era do download.

Mas a Tower Records da Sunset Strip, essa parte de Los Angeles da qual eu falo, era a mais famosa. E importante para a história do rock, com altos casos e tudo mais. Inclusive no estacionamento dela, ao lado, rolava muitos shows grandes estilo surpresa. Eram tão tradicionais que continuaram rolando mesmo depois que a loja fechou. Parece que o Elton John tocou lá no final do ano passado, num evento beneficente por motivos de Aids, com a Lady Gaga na jogada.

Tenho até uma dessas histórias nessa Tower Records, minha própria. Uma vez, isso anos 90, eu estava lá, comprando meus CDzinhos, quando dois armários ambulantes chegaram perto de mim e perguntaram se eu me importava em ir para a outra fileira. É que o Marilyn Manson estava na loja e queria ver discos na seção onde eu estava. E ninguém podia ficar na mesma fileira que ele. Ok, fui.

Mas, enfim, quinta passada atravessei a rua para ir à Tower Records e matar saudade (já tinha feito minhas comprinhas na Amoeba na noite anterior). Mas… não tinha a Tower Records. Era só a carcaça. Recriaram o lado de fora da loja para o documentário “All Things Must Pass”, que passou em festivais de cinema no ano passado e conta a história da loja como instituição musical. “The Rise and Fall of Tower Records”, que é a continuação de seu título, tem depoimentos, testemunhos de Dave Grohl, Chris Cornell, Chuck D, Elton John, Bruce Springsteen. Tem na Apple Store, na loja americana. Não achei no Netflix.

E, no final das contas, desde o final do ano passado resolveram deixar o prédio “envelopado” de Tower Records até hoje. Dentro, hoje, é um depósito de produtos eletrônicos, inclusive com coisas da Gibson, a marca das guitarras elétricas. E, em vez das capas de discos lançados, o prédio “da Tower” está forrado com o anúncio da turnê do Guns N’ Roses em Los Angeles, em agosto.

IMG_0532

* Minha tradicional foto do mural do cantor americano Jim Morrisson em Venice Beach ganhou novas cores. Não a do Jim Morrison em si, que está do mesmo jeito, apenas desbotado pelo tempo. O vocalista dos Doors, que na verdade era australiano e morreu de overdose (??) em Paris com 27 anos (1971), está pintado ali na rua/beco/passagem Speedway desde 1991, obra do artista local Rip Cronk em homenagem aos 20 anos de seu desaparecimento do mundo dos vivos. O negócio é que a parede que sustenta o Jim posando de rock star, sem camisa, está toda vermelha (acho que está assim desde o ano passado). Isso mais o desgaste da pintura de Jim deixam sua marcante imagem prejudicada. Mas, enfim. Cerca de 25 anos depois, o Jim Morrison ainda está lá em Venice Beach.

IMG_0487

* O algo novo grupo britânico 1975 está bombando de certa forma no mercado americano, sempre avesso às novidades inglesas à princípio. A banda, que tem show marcado em São Paulo em setembro (dia 23, Audio Club) e capa atual da revista britânica “Q” sob a chamada “A banda que vai fazer sua cabeça”, tipo, tem seu último disco recomendado pelo “staff” criterioso da Amoeba Records, veja você. Achei um pouco esquisito, porque geralmente as recomendação são colocadas em novos lançamentos. E o “I Like It When You Sleep, for You Are So Beautiful yet So Unaware of It”, o segundo álbum do quarteto, foi lançado “faz tempo”, tipo 26 de fevereiro. Em algumas resenhas que eu li, só para entender o “fenômeno indie”, galera adoroooooooooou o show. Eu estava vendo a apresentação deles pela segunda vez na vida e tive a mesma impressão da primeira vez: bem normal. Mas o sol estava quente, era cedinho no dia e a molecada estava lá, em bom número, curtindo muito. Devo não estar captando alguma mensagem. Ou estou.

* Outro “fenômeno” inglês constatado, mais pop e mais eletrônico que o 1975, é o trio Years & Years, que em palco, hoje em dia, se apresenta como quarteto com duas backing vocals. Escrevi sobre o “caso” para a Folha de sexta passada, depois de vê-los em ação no Fonda Theatre, em Hollywood, no penúltimo texto para a série de shows californianos que começou dia 17, com o Last Shadow Puppets em San Francisco. E o qual eu reproduzo agora, acrescentando um videozinho, pans. A foto deste post, na home da popload, é da banda.

Penúltimo show da série californiana de bandas novas (ou de novidades de bandas velhas) e estamos dentro do Fonda Theatre, em Los Angeles, lotado e histérico. A atração a entrar depois que um duo de hip hop de protesto faz as honras de abertura da noite é o trio inglês Years & Years, formação de pouco mais de quatro anos e apenas um álbum, este lançado em julho do ano passado.

Ok, o Fonda Theatre não é lá muito grande, praticamente um Cine Joia na concepção cinematográfica e na capacidade (umas 1200 pessoas). Mas o lugar, com ingressos esgotados há tempos, que fica no coração de Hollywood e tem seu nome dedicado ao ator Henry Fonda, quase não comporta tanta expectativa. E, de repente, as luzes se apagam.

Então vêm ao palco dois do trio inglês, o tecladista e o baixista (que por vezes toca guitarra). Mas a gritaria toma força mesmo quando depois de um suspense ensaiadinho entra em cena Olly Alexander, 25, cantor e também tecladista do Years & Years, que ajudou a montar a banda ao mesmo tempo que sua carreira de ator de teatro, cinema e TV deslanchava.

Cara conhecida da série teen inglesa “Skins”, Olly realmente domina a atenção. Embora o som do Years & Years não traga nada de novo à música, além de algumas canções grudentas bem feitas, o rapaz imprime com sua voz uma certa inteligência em timbres e letras à cena pop eletrônica voltada ao pop. Fora que, graças a seu traquejo de ator de musicais e afins, ele dança que é uma beleza.

O Years & Years começa nos EUA a ter uma reputação que já a faz banda grande na Inglaterra. Lá, graças a um apadrinhamento da rede BBC, que adotou Olly e seus amigos e botou as músicas do trio para circular forte em suas rádios, na TV, em seus festivais, em sessions especiais, para aproveitar a simpatia do vocalista-ator diante da nova geração britânica de consumidores musicais.

Em um momento espontâneo do show de segunda-feira em Los Angeles, emocionado ao ler um cartaz qualquer de uma menina da plateia, Olly Alexander a chamou para o palco e a fez sentar ao lado dele ao piano, enquanto cantava a romântica “Eyes Shut”. Pareceu que ele estava mais encantado com a fã ao seu lado que o contrário.

Jogando para torcida, o Years & Years, em cover, até melhora uma música de Kate Perry, “Dark Horse”, que emenda a trechos do estrondoso sucesso do cantor de hip hop Drake, “Hotline Bling”.

Em plena turnê americana, que já tinha passado por Los Angeles em setembro e levou um grande número de gente ao palco em que se apresentou, nos dois finais de semana do recente Coachella Festival, o Years & Years hoje tem um show bem mais caprichado que os praticados até o ano passado, quando “apenas” era uma banda promissora e se apresentada como nasceu: em trio.

Hoje conta com baterista contratado, duas backing vocals estilosas e um aparato de iluminação de provocar cartazes de aviso na entrada do teatro, alertando pessoas fotossensíveis.

Mais algumas músicas bem emplacadas num futuro próximo e não seria de espantar que Olly dê um tchau para seus amigos de trio, saia em carreira solo e vire o novo Justin Timberlake.

** A Popload está na Califórnia a convite do VisitCalifornia.

>>