Tenso! Programa da CNN abre discussão sobre a morte de James Brown. Parentes e amigos próximos não descartam assassinato

>>

050219_jamesbrown2

Mais de uma década depois, a morte de um dos grandes ícones da cultura pop em todos os tempos ganhou ares de polêmica graças a um programa de investigação criminal exibido pelo canal norte-americano CNN.

Mr. James Brown, que nos deixou em 25/12/2006 aparentemente por causas naturais, é o centro da produção do programa, uma vez que ao menos 13 pessoas chegaram ao ponto de pedir a exumação de seu corpo, incluindo o médico Marvin Crawford, que assinou o atestado de óbito do popstar. A desconfiança é que Brown tenha sido… assassinado.

“Ele mudou muito rápido. Era um paciente que eu nunca teria previsto esse tipo de diagnóstico. Mas ele morreu naquela noite, e eu levanto a questão: o que aconteceu de errado naquele quarto de hospital?”, disse o médico, que também confessou ter estranhado na época o veto por parte de Yamma Brown, filha do cantor, que recusou o pedido do profissional para que fosse feita uma autópsia.

Procurada pela CNN, que recolheu mais de 140 depoimentos, Yamma não conseguiu explicar quais foram os motivos de sua decisão naquele dia.

A matéria do canal norte-americano ainda levanta a hipótese de que o túmulo de Brown estaria vazio. Todo o papo serviu para retomar um antigo boato de que Adrienne Brown, terceira esposa do cantor, também teria tido uma morte estranha, no ano de 1996, outra por “causas naturais”, na Califórnia, enquanto se recuperava de uma cirurgia plástica.

Amigos da ex-esposa do cantor garantem que ela teria sido assassinada. Em 2017, um detetive aposentado da polícia divulgou documentos em que uma fonte revela que um médico da clínica onde ela morreu confessa ter aplicado uma droga em Adrienne, causando uma overdose.

Vejamos os próximos capítulos.

>>