TOP 50 DA CENA – Vivian Kuczynski chega ao topo. Hot e Oreia chegam de Nike ou Adidas. Boogarins encerra ciclo. Jup do Bairro encerra discussão. Que ranking!

1 - cenatopo19

* Seis faixas inéditas e uma troca de liderança na cabeça desta lista. Semana das mais agitadas na nossa CENA, refletida no nosso ranking. A musicalidade, as variações de composições e ritmos, as letras, as vozes em cada uma das dez mais, as guitarras e não guitarras. Que ranking lindo que ficou, que tem ficado. Uma garota de 17 anos, uma trans, hip hop novo emulando hip hop, banda goiana do Texas, uma dupla zoeira de BH, um rapper japonês, uma cantora de Paragominas-Pará, um bardo piauiense. Que país é este!

Unknown-2

1 – Vivian Kuczynski – “Pele” (2)
Vivian adianta em seu EP lançado sexta-feira o que será sua nova fase. Voz e letras caprichadas seguem por lá, mas seu comando total na produção dá novos contornos e textura às suas músicas e letras. Mais eletrônica, mais experimental, certeira, tudo a seu controle. Um salto e tanto em uma carreira promissora, não cansamos de avisar. E não cansamos de lembrar: ela tem só 17 anos.
2 – Boogarins – “Cães do Ódio” (Estreia)
Após anos loucos e intensos do Boogarins em disco novos e turnês de mil shows mundo afora, a banda resolve olhar o passado e abre o báu em um álbum de sobras e sonhos perdidos por aí. Em um disco especial que parece revelar um pouco sobre como a banda pensa, as músicas e ideias soam mais deliciosas para os fãs, mas ainda interessantes aos novatos. E marcam um fim de ciclo.
3 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (Estreia)
Enquanto 2020 não virar, não vamos parar de elogiar o EP de Jup do Bairro por aqui. Uma de suas melhores faixas, a parceria com Mulambo, ganhou um vídeo e tanto e por isso recuperamos ela aqui no Top 50. O vídeo fecha uma trilogia que completa o papo do disco. Pode ir lá assistir, depois você volta para continuar o ranking. Esta música é gigante, pois necessariamente atual.
4 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (1)
Uma regravação em uma lista de músicas novas não parece a melhor das ideias. Não é o caso aqui. Clássico dos Racionais refeito nas mãos de Kl Jay e seu filho, Will, “Voz Ativa” soa bem ao comando do Dexter e as participações de Djonga e Coruja. O vídeo da nova e velha geração do rap chega a emocionar de tão legal. Um registro que celebra os quase 30 anos de hino dos Racionais e a velha constatação sobre o que trata esse grito da periferia: pouco ou nada mudou.
5 – Hot e Oreia – “Saiu o Sol” (Estreia)
Talvez sem querer a “Saiu o Sol”, que usa batidas do talentoso produtor mineiro Vhoor, resvalou numa questão do rap com marcas esportivas, principalmente quando o assunto é tênis. Nike ou Adidas? Parece uma questão menor, mas vai ver a relação dos maiores nomes do rap com as duas marcas.
6 – Luiza Brina – “Oração 12” (Estreia)
Parte do novo EP de Luiza, sua parceria com Josyara, unindo suas vozes e violão é um momento de paz e reflexão que os dias pedem.
7 – Yannick Hara – “Eu Quero Mais Vida Pai” (Estreia)
Yannick sempre está por aqui no nosso top com seu bom disco de hip hop futurístico temático lançado neste ano. Desta vez, destaque ao novo single dele, com outra artista que curtimos bastante, a mineira Sara Não Tem Nome. Que música!
8 – Mai – “Bananeira de São Tomé” (Estreia)
A composição inédita de Luís Carlos Sá, da dupla Sá e Guarabira. ficou bonita na versão da cantora Paraense MAI. Segundo a artista, a música marca uma virada estética em sua carreira, que já teve outros passos. Vamos ficar atentos as novidades.
9 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (4)
A beleza de um disco de Mateus Aleluia em 2020 é um presente que ilumina este ano esquisito. Aqui, na produção de Ronaldo Evangelista e com músicos da CENA por perto, como Thiago França, Sérgio Machado, entre outros, a conversa de Mateus se aproxima da nova geração, que já se ligou na importância dele e dos Tincoãs. “Amarelou” ainda conta com, “apenas”, João Donato. Já frequenta o top 10 daqui há algumas semanas e ninguém tira. Tirar como?
10 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (8)
Amamos o disco do piauiense Valciãn. Tem várias boas e até cogitamos escolher duas para este Top 10. Quem está atento ao ranking se lembra de que a gente já botou ele aqui quando um dos sons do disco ainda era single. Que brasilidade rica.
11 – Nuven (feat. Apeles) – “Janela” (7)
12 – Anne Jezini – “Céu de Lurex” (6)
13 – Pedro Pastoriz – “Chicletes Replay” (5)
14 – Wry – “Travel” (3)
15 – Gui Hargreaves – “No Fundo dos Seus Olhos” (9)
16 – ATR (feat. Michu) – “In My Stereo” (10)
17 – Thunderbird – “Insuportável” (11)
18 – Letrux – “Vai Brotar” (12)
19 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (13)
20 – Compositor Fantasma – “Século XXI Antes de Cristo” (14)
21 – Viratempo (feat. Àyié) – “Vento” (15)
22 – Juliano Abramovay – Anzol (16)
23 – Iara Rennó – “Tara” (17)
24 – Ave Sangria – “Vendavais” (18)
25 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (19)
26 – Ovo ou Bicho – “Moços” (20)
27 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (21)
28 – Jonnata Doll e os Garotos Solventes – “Filtra Me”(22)
29 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (25)
30 – Marcelo Perdido – “Bastante” (28)
31 – Rincon Sapiência – “Malícia” (31)
32 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (32)
33 – Nevilton – “Irradiar” (33)
34 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (34)
35 – Tuyo – “Sem Mentir” (35)
36 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (36)
37 – Duda Brack – “Contragolpe” (37)
38 – Don L – “Kelefeeling” (38)
39 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (39)
40 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (40)
41 – ÀIYÉ – “Pulmão” (41)
42 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (42)
43 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (43)
44 – Edgar – “Carro de Boy” (44)
45 – Douglas Germano – “Valhacouto” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a incrível Vivian Kuczynski.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>