O bom truque do Peter Hook em uma noite quente de São Paulo

>>

Captura de Tela 2016-12-07 às 4.14.56 PM

* Talvez um dos únicos caras da história da música que pode se dar o luxo de aplicar o truque na música, o baixista Peter Hook fez um excelente show ontem à noite no lotadaço e festivo Cine Joia, na Liberdade, em São Paulo. Pendendo entre uma banda cover de luxo, um karaokê bizarro cujas canções você canta com a maior familiaridade porque esteve lá as construindo e uma ótima aula de história (aqui no sentido da matéria, mesmo), o britânico tocou nesta terça por 2h40 exatamente uma semana depois que seus ex-amigos de um passado mais bem formado, o New Order em si, também deu show _ e milagrosamente um show absurdo _ na capital paulistana.

Peter Hook, por não ter sido um “mero baixista”, carrega uma licença poética de aprontar barraco, montar uma banda de moleques (The Light) que inclui seu filho e sair por aí excursionando pelo mundo “apenas” porque ajudou a fundar duas das mais importantes bandas da música inglesa: o pós-punk no future Joy Division e o em seguida indie-pop-dance-eletrônico New Order, duas instituições tão iguais e tão diferentes com um caminhão de hits marcantes que dava para abastecer umas dez bandas novas de sucessos para se manter em tour mundial por anos e anos.

Hook fez do baixo uma guitarra líder na época áurea das duas bandas e continua fazendo hoje em dia. Porque era isso mesmo: no Joy Division e no New Order, seu instrumento era tão importante quanto a guitarra. Ele impunhava isso, as músicas impunhavam isso, o ritmo das bandas era ditado por seu baixo.

Hoje, se em seus show erra em muitos vocais ou condições dos hits mais eletrônicos, ele acerta quando o bacana é remeter as memórias exatamente para o comecinho dos anos 80, terreno familiar a ele e para a maioria dos fãs presentes ao Joia, que esgotaram os ingressos da noite.

Por exemplo, peguemos o clássico dos clássicos “Blue Monday”, uma das músicas de pista mais importantes da face da Terra. A versão que o New Order toca em seus shows dos últimos anos é uma versão playba tipo remix de FM. O hit está ali embaixo, lindo. Mas a “roupa moderna” dá uma cara mais coxa ao hino do New Order. Já Hook vai no básico e certeiro. Assume a música com seu baixo explodindo logo após a inicial e espetacular introdução eletrônica que marca “Blue Monday”, desde 1983, quando foi lançada. Hook roots. Pontaço para ele.

Seu show teve malucas 2h40 de duração, mais ou menos, dividido em duas partes. A primeira, New Order. A segunda, Joy Division. Brilhou no que tinha que brilhar, escorregou um pouco em momentos em que a música pedia o vocal de Bernard Sumner ou Ian Curtis sem ter muito jeito. Ou a cozinha original do New Order/JD.

Dedicou a música mais triste do universo, “Atmosphere”, do Joy Division, à Chapecoense. Depois emendou, aos gritos da galera de “Vamo, Vamo, Chapêêê” o massacrante hit “Love Will Tears Us Apart”. E foi embora sastisfeito com o truque bem dado. O público também.

Abaixo um videozinho de Hook tocando a übermaravilhosa “Thieves Like Us”, que o New Order não tem tocado ao vivo. Isso não é uma reclamação, Bernie!!! Haha.

** A foto que ilustra este post é do instagram da brother sister Claudia Assef (@clauassef), do Music Non Stop. A da home é da galera do Peter Hook, mesmo.

>>