Top 50 da CENA: Edgar no comando, “analisando” o Brasil. Acompanhando o tema, BK, “Bayana”, BNegão, Zé Manoel, Compositor Fantasma e outra turma das boas

>>

* Nós reclamamos aqui um pouquinho da inatividade de CENA brasileira no comecinho do ano e a resposta veio em uma enxurrada de novas músicas antes que o mês acabasse. E muita música boa, qualidade alta, álbuns decentíssimos nessa leva. Apontando para vários lugares, vários estilos, o que já virou marca desta CENA robusta. Repare que quase todas as dez colocações do nosso ranking estão com músicas estreantes. Bom demais.

edgar-quadrada

1 – Edgar – “Prêmio Nobel” (Estreia)
A gente gosta de dar nossa opinião suuuuuper analítica, mas aqui vale abrir espaço ao artista. Edgar escreveu um belo texto sobre sua nova composição e seu novo vídeo: “Imagine que o menino João e a menina Ágata poderiam muito bem terem ganhado um prêmio Nobel de literatura ou ciências, Marielle Franco um prêmio Nobel da paz. Diversas vidas que são arrancadas do seu destino todos os dias por uma necropolítica que nos extermina como se fôssemos presas fáceis. No filme “Bacurau” algumas pessoas se identificam com aquele Brasil distante e perto ao mesmo tempo. Só Jesus salva, e nesse filme ele vem armado com diversos inocentes que foram mortos pelas mãos do governo, para poder proteger os trabalhadores e estudantes que moram na favela. Em toda favela tem um prêmio Nobel. Que a polícia caça e mata.”

2 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (1)
“O Corre – Bixurdia Remix” é a mexida que a multiartista Jup do Bairro deu na faixa de seu incrível EP, o “Corpo Sem Juízo”, do ano passado. A Bixurdia, que assina o remix, é uma produtora de áudio tocada por uma galera 100% LGBTQIA+, que já armaram mais de 30 projetos de pessoas trans, travestis e não-binárias de forma totalmente gratuita. “O Corre”, que já tinha uma levada funky, agora descamba para os clubes – quando tudo voltar, né? Fora isso, a original virou single, ganhou vídeo lindo, voltou a tocar em nós. O ideal é ouvir as duas no repeat, que dá uma liga campeã.

3 – BK – “Mudando o Jogo” (Estreia)
Interessante a escolha do BK. Em vez de abrir em singles seu conceitual álbum “Movimento”, lançado no ano passado, ele chega em 2021 com uma música inédita – curando a ansiedade dos fãs por novidades e deixando intacta a obra que ele escreveu para ser apreciada com começo, meio e fim. Novos tempos exigem novas estratégias.

4 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (2)
Antônio Neves é compositor, arranjador e multintrumentista. E está nos preparativos do lançamento de seu segundo álbum, “A Pegada Agora É Essa”. Entre os singles já lançados, vale notar essa versão supercaprichada para o clássico de Nelson Cavaquinho e Amâncio Cardoso, uma lenta construção instrumental que nos leva à voz maravilhosa de Ana Frango Elétrico, que se derrama pela letra e melodia das mais bonitas já feitas por um brasileiro. Pouca coisa?

5 – BaianaSystem e BNegão – “Reza Forte” (Estreia)
Chega com tudo o BaianaSystem no aquecimento do seu terceiro álbum. Mais uma parceria com o produtor Daniel Ganjaman, “OXEAXEEXU” será divido em três atos. O primeiro chega nesta sexta de Carnaval, 12 de fevereiro. Mas que Carnaval? Beleza mesmo assim.

6 – Compositor Fantasma – “Pedestres Violentas” (Estreia)
A violência dos carros contra os pedestres é um capítulo triste do Brasil. Com sabedoria e ironia, Gabriel Serapicos, em seu alter-ego Compositor Fantasasma, em parceria com Luisa Phoenix, sub-inverte os papéis de quem agride quem. E ainda bota a “culpa” NAS pedestres, no feminino, essas violentas. Aquelas músicas que você dá um sorriso e dá uma pensada, manja? E pergunta: como pode?

7 – Zé Manoel – “Saudade da Saudade” (Estreia)
Frevo quase marchinha do compositor pernambucano Maurício Cavalcanti, “Saudade da Saudade” brilha na voz do grande Zé Manoel. E pensar que este ano não tem Carnaval – e quem pular está no erro, mas este é um outro papo. Saudade?

8 – Gustavo Bertoni e Apeles – “Ricochet” (Estreia)
Um feat. de mão dupla da nossa CENA, daqueles que não tem um artista puxando o bonde, sabe? É assim esta parceria que é um “clash de indies de respeito”, do Apeles e do Gustavo Bertoni (off-Scalene) na composição e na construção da gravação – com ambos na voz, Gustavo no violão e Apeles entre o synth, piano e guitarra. Belezura pura.

9 – Jair Naves – “Todo Meu Empenho” (Estreia)
“Todo Meu Empenho” é a prévia do próximo disco de Jair, que terá influências pandêmicas, porque o isolamento fez o músico calcar seu som em sintetizadores e baterias eletrônicas, se afastando da pegada orgânica que sempre marcou seus vários projetos – ainda que a guitarra esteja lá. E, no caso específico deste single, que bela guitarra!

10 – Kamau – “Nada… De novo”
“Pra que não se esqueçam do que vale. E do que nunca mais deve acontecer”, escreve Kamau sobre esta nova canção. Um petardo sobre o que muda e o que não muda, o que se repete e o que nunca mais acontece. Valores, tempo, histórias. Algumas coisas nunca mudam. Outras andam bem diferente. A qualidade do rap do Kamau, por exemplo, sempre avançando.

11 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (5)
12 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (4)
13 – Rincon Sapiência – “Tem Que Tá Veno” (Verso Livre) (3)
14 – MC Carol – “Levanta Mina” (6)
15 – Marrakesh – “To Comprehend” (7)
16 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (8)
17 – Dom Pescoço – “Delicadinho” (9)
18 – Dizin – “Human Bomb (Explode)” (10)
19 – Criolo – “Fellini” (11)
20 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (12)
21 – Cambriana – “Induction Bread” (13)
22 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (16)
23 – Wry – “Absoluta Incerteza” (17)
24 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (19)
25 – YMA – “White Peacock” (20)
26 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (21)
27 – Luedji Luna – “Chororô” (23)
28 – Black Alien – “Chuck Berry” (24)
29 – Vovô Bebê – “Bolha” (25)
30 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (26)
31 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (28)
32 – Liniker – “Psiu” (31)
33 – Tuyo – “Sonho da Lay” (32)
34 – KL Jay – “Território Inimigo” (33)
35 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (34)
36 – Rohmanelli – “Toneaí” (35)
37 – Vivian Kuczynski – “Pele” (37)
38 – Boogarins – “Cães do Ódio” (38)
39 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (39)
40 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (40)
41 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (41)
42 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (42)
43 – Don L – “Kelefeeling” (43)
44 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (44)
45 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (45)
46 – ÀIYÉ – “Pulmão” (46)
47 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (47)
48 – Edgar – “Carro de Boy” (48)
49 – Jhony MC – F.A.B. (49)
50 – Djonga – “Procuro Alguém (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a rapper Edgar, de Guarulhos.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>