Vivemos para ver isso. Show do Nirvana sábado passado na Califórnia (!!!!). Veja como foi

>>

Captura de Tela 2018-10-08 às 9.30.13 AM

* O maior festival do ano foi realizado neste sábado que passou na Califórnia e reuniu em seu line-up Nirvana (acima), Led Zeppelin e Iggy Pop.

(vou começar de novo…)

* O maior festival do ano foi realizado neste sábado que passou na Califórnia e reuniu em seu line-up Foo Fighers, o dono da parada, Greta van Fleet (oi, Lollapalooza Brasil 2019), o veterano incrível Garbage, o médio-novo duo punk inglês Slaves, a minha banda nova predileta, a australiana Gang of Youths, e, sim, ELE, mister Iggy Pop. Entre vários outros.

Foi o Cal Jam 2018, festival de dois dias que começou na sexta, pequeno, encabeçado pelo extra-famoso Billy Idol. Aconteceu em San Bernardino e foi uma espécie de quarta edição do histórico Cal Jam Festival. O primeiro Cal Jam rolou em 1974 na californiana Ontario e reuniu 400 mil pessoas, abrigando o mais marcante concerto do grupo inglês Deep Purple, que virou documentário e livro de tão turbulenta. Contou com mais de uma hora de atraso para a banda subir no palco, teve quebradeira de guitarra, um amplificador voando para a plateia e outro explodindo e pegando fogo. Foi um dos primeiros concertos de rock deste nível a ser transmitido em TV aberta nos EUA, pela gigante ABC. Black Sabbath, Eagles, Earth & Wind e Emerson, Lake and Palmer também tocaram no festival. Uma segunda edição, “mais tranquila”, foi realizada em 1978, com Aerosmith, Santana, Foreigner, Heart e Ted Nugent, entre outros. No ano passado o Foo Fighters reinventou o festival, tomando para si, e escalando o Queens of the Stone Age junto, fora uma batelada de bandas menores boas tipo Kills e Cage the Elephant.

Mas o negócio foi esse Cal Jam 2018, no sábado, que teve uma espécie de REUNIÃO DO NIRVANA, talvez a banda mais importante da história da música (cóf). Sem o Kurt Cobain, obviamente.

Foi assim:

O Foo Fighters, em seu festival, fez em seu show um setlist em ordem cronológica inversa. Começou com músicas de seu último disco e seguiu a apresentação regredindo pela discografia da banda, até chegar em seu primeiro disco e fechar o set com “This Is a Call”, seu primeiro single, de 1995.

Para o bis, uma surpresa ainda mais regressiva. Dave Grohl foi para a bateria, chamou Krist Novoselic ao baixo, contou com Pat Smear na guitarra e fez uma reunião do Nirvana (a segunda deste ano), chamando “para o papel de Kurt Cobain” o vocalista John McCauley, do Deer Tick, banda de Rhode Island, com forte queda ao nirvanismo (foto lá em cima)

Foram seis músicas do Nirvana no total. McCauley cantou três, “Serve the Servants”, “Scentless Apprentice” e “In Bloom”. Depois a foi a vez da grande roqueira Joan Jett emular Cobain, cantando “Breed”, Smells Like Teen Spirit”e “All Apologies”. Nesta última, a única fora da ordem cronológica, Novoselic tocou sanfona e a musa Brode Dalle, do Distillers e senhora Josh Home, pegou o baixo.

(Joan Jett já tinha “cantado no Nirvana” em 2014, numa homenagem à banda de Cobain numa cerimônia do Rock and Roll Hall of Fame.)

Então é isso, gente. Com você, um show do Nirvana no sábado passado, inteirinho em seus mágicos 25 minutos.

>>

  • Leocádia Joana Garibaldi Pinto

    Nada contra Joan Jet, mas…